Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 31/08/2021

Ontem: A continuidade das tensões domésticas, com receios fiscais, políticos e crise hídrica, pesaram sobre os juros futuros longos, que subiram, e sobre o Ibovespa, que caiu na contramão das bolsas americanas e pressionado pelas ações dos setores elétrico e financeiro. As taxas curtas de juros encerram a sessão regular perto da estabilidade ou em leve queda, após o IGP-M abaixo do previsto. O dólar mostrou queda modesta, com real acompanhando a valorização da maioria das moedas emergentes. Nos EUA, o S&P 500 subiu para o seu 12º recorde deste mês, puxado por algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo, como Apple, cujo valor de mercado atingiu US$ 2,5 trilhões. Por aqui, o mercado cultiva expectativa com as manifestações bolsonaristas marcadas para 7 de setembro e que o presidente Jair Bolsonaro disse que terão como pauta a liberdade de expressão e o voto impresso. Por ação do presidente da Câmara, Arthur Lira, foi adiada, segundo o Globo, a publicação de um manifesto da Fiesp cujo texto teria gerado reação contrária da Caixa e do Banco do Brasil. Em nota de esclarecimento, Febraban diz que não participou da elaboração de nenhum texto que contivesse ataques ao governo ou oposição à atual política econômica.


Hoje: Mercado global mantém viés positivo, com bolsas em alta ainda refletindo o Fed dovish da última semana. Minério de ferro cai com PMI abaixo do previsto na China, mas não compromete as moedas emergentes, que se fortalecem pelo 3º dia. No Brasil, o câmbio enfrenta nesta terça-feira a definição da Ptax, após acompanhar ontem o alívio externo mesmo diante de sinais de que fundos estão montando hedge. Incertezas políticas e fiscais persistem. Governo deve enviar hoje o orçamento de 2022 em meio à indefinição sobre os precatórios e novo Bolsa Família, que alimenta pressões pela extenção do auxílio emergencial. Crise hídrica segue em foco em meio à expectativa de alta da bandeira energética, mas novas projeções indicariam que não haverá escassez de eletricidade. Agenda destaca taxa de desemprego e resultado primário, após déficit menor que o esperado do governo central, além do leilão de NTN-B e entrevista de Funchal. EUA divulgam PMI de Chicago e confiança do consumidor.


Bom dia

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre