Buscar
  • Mateus Cosac

Morning Call - 30/10/2019

Na véspera de decisões sobre juros do Fed e do Copom, tanto o dólar quanto a bolsa adicionaram um pouco de cautela ontem, em meio a um viés de queda nos juros futuros. O dólar teve leve alta e fechou o dia cotado a R$ 4,00, tendo passado a maior parte do dia um pouco abaixo disso, com a expectativa de fluxo do leilão da cessão onerosa a compensar o receio de perda de atratividade do carry trade. O real esteve em linha com as perdas de algumas divisas emergentes, como o rand, o peso chileno e lira turca. Depois de novo recorde na segunda-feira e cinco altas nos últimos seis dias, o Ibovespa passou por ajuste e cedeu. Já o CDS brasileiro teve a 15ª queda seguida, na maior sequência histórica de baixas, para 117 pontos, o menor nível em seis anos, com aumento de confiança dos investidores e em meio às reformas econômicas pró-mercado. A curva de juros futuros encerrou o dia precificando expectativa majoritária de corte de 0,50 pp na Selic hoje e apostas marginais em -0,75 pp. Lá fora, o S&P 500 encerrou o pregão praticamente na estabilidade, enquanto Nasdaq caiu antes de balanços de grandes empresas como Apple e Facebook que serão divulgados na semana e na expectativa pela decisão da reunião do Fed hoje, para a qual a projeção é de corte de juros. Notícias de que China e EUA podem não assinar um acordo parcial no próximo mês pesou sobre as ações de tecnologia um dia depois de o presidente Donald Trump afirmar que as negociações estavam adiantadas. No Reino Unido, Parlamento aprovou eleições gerais antecipadas para 12 de dezembro.


Hoje os mercados globais operam de lado antes da decisão do Fed, que deve cortar o juro em 0,25 pp, e da fala de Powell. No Brasil, investidores aguardam Copom. Uma combinação de um Fed sinalizando alívio adicional e um BC brasileiro dovish, mas sem extrapolar o que o mercado já espera, poderia favorecer o câmbio, sustentando o dólar abaixo de R$ 4,00. Por outro lado, sinalização de cortes muito mais profundos aqui, sobretudo em caso de um Fed não tão brando, poderia desfavorecer o real. Agenda traz dados como o ADP e PIB nos EUA e IGP-M aqui, além de balanços de peso em ambos os países. Na política, mercado avalia possível desdobramento da reportagem da Globo citando Bolsonaro no caso Marielle, que desencadeou resposta furiosa do presidente. Caso eclode em meio à tentativa do governo de apresentar primeiras medidas da agenda econômica pós-Previdência.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Morning Call - 18/06/2021

Ontem: Os juros futuros curtos e médios dispararam e a curva perdeu a inclinação após o Copom adotar uma comunicação hawkish e deixar janela aberta para acelerar ritmo de alta da Selic, caso as expect

Morning Call - 17/06/2021

Ontem: A previsão de dirigentes do Fed de que os juros nos EUA podem ter dois aumentos até final de 2023 - um ritmo de aperto mais rápido do que o esperado - trouxe pressão aos ativos no exterior e no

Morning Call - 16/06/2021

Ontem: Os juros futuros curtos estenderam a alta, no aguardo de decisões do Fed e do Copom. O dólar virou para a queda no período da tarde, com fluxo vendedor e também na esteira da expectativa de alt