Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 30/07/2021

Ontem: A sinalização de Jerome Powell na quarta-feira de que o Fed não teria pressa em reduzir os estímulos e em elevar os juros nos EUA continuou ecoando nos mercados e foi reforçada por dados piores do PIB americano e de pedidos de seguro-desemprego. Lá fora, as bolsas subiram em NY, o Índice Dólar cedeu pelo quarto dia e os yields dos Treasuries de 10 anos avançaram. Aqui, o dólar estendeu a queda, embora tenha atenuado movimento na parte da tarde. Os juros futuros caíram, comportamento também incentivado pelo IGP-M abaixo do esperado, mas suavizado pelo déficit do governo central maior do que as previsões. Já o Ibovespa destoou do cenário geral de alívio e caiu 0,5%, sob pressão da Vale e GPA após balanço, mas em parte compensada pelos ganhos de Multiplan e shoppings.


Hoje: Nasdaq futuro cai mais de 1% e bolsas recuam após previsão de vendas da Amazon ficar abaixo do previsto, repetindo frustração de expectativas já ocorrida com outras titãs da tecnologia. China também preocupa os investidores com a repressão de Pequim sobre o setor tecnológico. Tentativa do país de reduzir produção de ação também derruba o minério de ferro. Petróleo e moedas têm variações discretas. EUA divulgam bateria de dados depois de PIB abaixo do previsto ontem reforçar visão dovish do Fed que ajudou a depreciar o dólar nos últimos dias. No Brasil, BC divulga resultado primário consolidado após déficit maior que previsto do governo central ontem. Eventual piora fiscal poderia reduz espaço para governo bancar o bolsa família, com ala política do governo já pressionando para mudar o teto. Agenda ainda traz taxa de desemprego de maio, na sequência do Caged forte de junho. Enquanto mercado mantém aposta em aceleração da alta da Selic, Aneel decide hoje a bandeira tarifária.


Bom dia e bom fina de semana.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre