Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 29/10/2020

Ontem: Os mercados internacionais sofreram fortes perdas nesta quarta-feira, com reflexos diretos nos ativos brasileiros, diante do aumento das preocupações com nova onda do coronavírus que levaram a medidas mais severas dos governos europeus e aumentaram as hospitalizações no meio-oeste americano. Depois de Alemanha chegar a acordo para lockdown parcial de um mês, a França anunciou lockdown nacional para evitar contágios. Aqui, ainda pela manhã, o dólar chegou à máxima de R$ 5,79, nível intradiário mais alto desde 18 de maio, antes de BC entrar com leilão de moeda à vista, no qual vendeu US$ 1,04 bi. Moeda apagou a alta na sequência, mas retomou avanço à tarde. Ibovespa caiu mais de 4%, maior queda desde abril, ao patamar de 95.000 pontos, na esteira da baixa de mais de 3% das bolsas americanas. Juros futuros mostraram pressão de alta no miolo da curva, enquanto o mercado aguardava que Copom mantivesse a Selic a 2% e eventualmente trouxesse mudanças no comunicado.


Hoje: Mercado deve reagir ao Copom, que manteve a Selic em 2% e confirmou o forward guidance de taxas inalteradas. Parte dos analistas vê comunicado como dovish (flexível) apesar da recente pressão inflacionária e da paralisia das reformas, mas Itaú diz que BC fechou a porta para novos cortes. Reação na curva de juros ao BC pode ser embaralhada pela volatilidade dos mercados externos, com moedas não acompanhando reação das bolsas após selloff em meio a recordes da covid na Europa. Curva de juros ainda deve refletir leilão do Tesouro e rolagem de compromissadas, enquanto balanços podem influenciar o Ibovespa. Petrobras tem prejuízo inesperado, mas menor que no trimestre anterior, e Ebitda acima do previsto após estatal desvincular dividendo de lucro. Vale corta capex e tem Ebitda de US$ 6,10 bi no trimestre, o maior em mais de seis anos. Lucro do Bradesco e GPA supera estimativas, assim como o Ebitda da Ambev. No exterior, BCE decide sobre juros com estímulos em foco e EUA divulgam PIB e seguro-desemprego. Agenda local ainda traz IGP-M, resultado do governo central, Caged e sequência da safra de balanços.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo