Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 29/05/2020

Ontem: O dia já não era bom para os ativos brasileiros, diante da turbulência política interna, e ficou ainda pior depois que o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou que fará uma entrevista coletiva nesta sexta-feira para falar sobre China. Foi a deixa para espalhar pelos mercados o receio de uma escalada de tensões entre as duas maiores economias do mundo. Isso levou o Ibovespa a cair mais de 1% e o dólar a atingir as máximas do dia, acima de R$ 5,40. As bolsas americanas apagaram os ganhos. A Casa Branca disse ainda que Trump tinha assinado medida para limitar proteções de responsabilidades das redes sociais, criticadas por ele. Ao longo da sessão, o real manteve-se descolado como o pior desempenho entre as principais moedas globais e emergentes por causa dos conflitos políticos entre o presidente Jair Bolsonaro e o STF.


Hoje: Mercados globais mantêm cautela, com bolsas e petróleo em queda, antes de fala agendada por Trump para hoje - sem horário definido - sobre China. Debate com Powell e bateria de dados americanos também são monitorados. No Brasil, PIB do 1º trimestre tem estimativa de retração de 1,5% sobre período anterior, refletindo efeito da pandemia a partir de março. Campos Neto faz nova live aberta após reiterar discussão sobre limite da queda dos juros e dizer ontem que BC iria atuar forte quando câmbio se acalmou. Comentário pode ser interpretado como sinal de que atuações expressivas virão se dólar seguir pressionado, como ocorreu ontem, quando tensão externa se somou ao atrito entre poderes no Brasil. Presidente do Senado e Judiciário tentam evitar agravamento da crise, diz Valor. Câmara aprova MP que permite reduzir salários na pandemia e Estados devem pedir derrubada de um dos vetos de Bolsonaro, diz Valor. Prefeitura de São Paulo anuncia reativação gradual do comércio, apesar de novo recorde de contágio pelo Covid-19 no país.


Bom dia e bom final de semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre