Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 28/02/2019

Ibovespa fechou o pregão de ontem com queda leve (0,30%) aos 97.307 pontos, mesmo após Vale perder o grau de investimento pela Moody’s e chegar a liderar a baixa do índice. O movimento do Ibovespa esteve o dia todo acompanhando o humor do mercado de ações americano, que mostrou melhora à tarde, depois de S&P 500 chegar a cair 0,7% mais cedo com declarações do representante dos EUA nas negociações com a China de que ainda era cedo para dizer se país asiático aceitaria as exigências de Trump. No mercado de câmbio brasileiro, o dólar caiu e rompeu o patamar de R$ 3,73, com real exibindo a melhor performance entre os pares. Os juros futuros seguiram a baixa do dólar, sem que dados macroeconômicos trouxessem sinais que pudessem alterar expectativas para o cenário da economia.

Lá fora, as bolsas americanas fecharam o dia de lado, depois que Michael Cohen, ex-advogado de Trump, expôs uma série de denúncias contra o presidente dos EUA. Mais cedo, as ações caíram após o representante do Departamento de Comércio americano, Robert Lighthizer, dizer que os EUA estão pressionando por um acordo com a China que inclui mudanças estruturais significativas no modelo econômico do país asiático. O petróleo subiu depois de queda nos estoques americanos confirmarem que a Arábia Saudita e seus aliados continuaram a reduzir a oferta apesar dos protestos do presidente dos EUA, Donald Trump, contra o nível atual de preços da commodity.

Hoje os mercados externos abrem cautelosos, após o encontro sem acordo entre Trump e o líder da Coreia do Norte e PMI abaixo do estimado da China, reforçarem o receio de desaceleração global. Sentimento negativo, contudo, tem efeito por ora limitado, com recuos modestos dos índices acionários, commodities e moedas pares do real. Além da safra de balanços, o mercado pode ser movimentado pela bateria de indicadores, que inclui PIB no Brasil e nos EUA, com perspectiva dos juros em debate nos dois países. Agenda americana ainda traz falas de dirigentes do Fed. BC divulga resultado fiscal consolidado, após governo central superar estimativa na véspera, e sinaliza rolagem integral de swaps. Na política, prosseguem as críticas à reforma da Previdência e à articulação do governo e reunião do CNPE pode discutir cessão onerosa. Venezuela volta ao radar com chegada de Guaidó ao Brasil.





Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo