Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 27/09/2021

Sexta: Aceleração do IPCA-15 para o topo das previsões elevou as taxas de juros futuros, desencadeou revisões de estimativas de inflação para o ano e ainda trouxe de volta à cena apostas de alta da Selic acima do 1pp sinalizado para outubro pelo BC. Barclays, JPMorgan e Credit Suisse puxaram a fila de ajustes de estimativas para o IPCA em 2021. O mercado já tinha se mostrado dividido sobre as indicações do Copom desde o comunicado na quarta-feira, e agora, depois do IPCA-15, aumentou a expectativa pela ata e pelo relatório de inflação que serão divulgados nessa semana. O índice mais salgado também pesou sobre ações de consumo na bolsa. O Ibovespa fechou em queda de 0,7%, sobretudo de olho no exterior, onde apreensões com Evergrande e repressão regulatória da China sobre criptomoedas inibiram o apetite por ativos de risco. O dólar subiu globalmente e também aqui, ainda no eco dos sinais do Fed de que pode começar a reduzir compras de ativos em novembro, o que também puxou os rendimentos dos Treasuries. Cautela com a incorporadora chinesa permaneceu.


Hoje: BC antecipa leilões de swap que devem reduzir pressão cambial com as saídas sazonais de fim de ano. Para analistas, ação do BC visa ajudar no ajuste do overhedge e também pode refletir um receio sobre o repasse de um dólar mais alto para a inflação. Focus traz estimativas do mercado nesta segunda, véspera da divulgação da ata do Copom, após o IPCA-15 superar as estimativas em setembro. IPC-Fipe desacelera, mas segue em nível alto, e Aneel mantém bandeira da energia. No exterior, petróleo supera US$ 75 com receio sobre oferta e minério volta aos US$ 120. Bolsas e yields dos títulos sobem, enquanto moedas estão de lado com receios continuados sobre Evergrande e economia global antes da fala de dirigentes dos BCs globais esta semana. No noticiário corporativo, leilão de 5G será em 4 de novembro, com participação da Tim aprovada, Lira pressiona Petrobras por preços e Congresso pode analisar veto à MP da Eletrobras.


Bom dia e boa semana

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: A fala de Bruno Serra vista como dovish (flexível) pelo mercado derrubou os juros futuros e ajudou a reduzir a precificação de alta da Selic para as próximas reuniões. O diretor de Política Mon

Sexta: Jerome Powell deu alívio aos mercados ao final de uma semana marcada por forte volatilidade. O presidente do Fed afastou um aperto de juros mais agressivo nas próximas reuniões, apesar de númer

Ontem: A volatilidade dominou a sessão desta quinta-feira. O dólar chega ao final da tarde com leves oscilações enquanto o índice da moeda no exterior subiu com a busca por ativos seguros. Os juros fu