Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 27/09/2019

Os receios com a guerra comercial se somaram ao imbróglio político envolvendo Trump e a notícia de que os EUA provavelmente não estenderão a trégua que permite às empresas americanas fornecerem para a chinesa Huawei fortaleceu o dólar ontem. À tarde, outra notícia de que a China estaria disposta a comprar mais produtos americanos não foi suficiente para zerar os efeitos da primeira. Já o Ibovespa driblou o mal-estar externo e subiu com promulgação pelo Congresso de emenda da PEC da cessão onerosa que autoriza o governo a leiloar novos campos de exploração de petróleo. E os juros futuros estenderam a queda depois que relatório de inflação e o presidente do BC, Roberto Campos Neto, confirmaram mensagem de tranquilidade em relação à inflação e à alta do dólar, “não acompanhada de prêmio de risco”.


Lá fora, as bolsas americanas sofreram pressão negativa com o impacto da divulgação dos detalhes da denúncia do informante no caso que culminou com abertura de pedido de impeachment do presidente Trump e após notícia de que os EUA provavelmente não estenderão a trégua que permite que empresas americanas forneçam peças e equipamentos à Huawei. Dados do PIB americano mostraram que a economia permanece sólida, porém não contribuíram para movimentação dos mercados (EUA: PIB 2º tri +2,0%; Est. 2,0%).


Hoje os mercados amanhecem sem uma direção definida. Bolsas externas ensaiam alta moderada, com mineradoras em destaque, e dólar tem desempenho misto. Rumo dos negócios pode vir de dados nos EUA, onde saem o PCE - tido com o índice de inflação preferido do Fed - e renda e gastos pessoais. No Brasil, IGP-M tem estimativa de dado negativo, enquanto desemprego pode ter queda discreta e governo central deve ter déficit ampliado. No noticiário corporativo, Delta venderá participação na Gol em acordo com a Latam. Na política, jornais destacam derrota da Lava Jato no STF. Alcance da medida, inclusive se beneficia ou não Lula, ainda será definido.


Bom dia e um excelente final de semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo