Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 26/09/2019

Declaração de Donald Trump ontem durante a tarde, de que um acordo com China pode acontecer mais cedo do que se pensa acabou por ofuscar o mal-estar dos mercados mais cedo com a abertura de investigações pela Câmara para impeachment do presidente dos EUA. A Casa Branca também detalhou acordo comercial com o Japão. E os mercados passaram a melhorar, atingindo as máximas de ganhos no período da tarde. As bolsas americanas subiram, o Ibovespa acompanhou e retomou os 104.000 pontos. O dólar, que chegou a operar acima de R$ 4,19 pela manhã, passou a cair e encerrou o dia aos R$ 4,15.


O mercado hoje pode ganhar alento com o acordo entre Guedes e o Congresso, que pode acelerar reformas e assegurar leilão da cessão onerosa, cuja PEC pode ser promulgada hoje. Agenda destaca PIB e fala de Clarida nos EUA. Brasil tem leilão do Tesouro, CMN e dado da dívida federal após Caged ontem superar estimativa, corroborando expectativa de um 2º semestre melhor na economia. No mercado externo, bolsas e dólar têm altas discretas e commodities sobem ainda refletindo trégua comercial, que é parcialmente ofuscada por impasse político dos EUA.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: A fala de Bruno Serra vista como dovish (flexível) pelo mercado derrubou os juros futuros e ajudou a reduzir a precificação de alta da Selic para as próximas reuniões. O diretor de Política Mon

Sexta: Jerome Powell deu alívio aos mercados ao final de uma semana marcada por forte volatilidade. O presidente do Fed afastou um aperto de juros mais agressivo nas próximas reuniões, apesar de númer

Ontem: A volatilidade dominou a sessão desta quinta-feira. O dólar chega ao final da tarde com leves oscilações enquanto o índice da moeda no exterior subiu com a busca por ativos seguros. Os juros fu