Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 26/03/2019

Uma série de notícias apaziguadoras do clima político surtiu efeito no mercado ontem, depois do estresse da sexta e do ambiente de troca de críticas que perdurou durante todo o fim de semana. Os relatos sobre a disposição de Rodrigo Maia de blindar a reforma da Previdência, o resultado da reunião de Jair Bolsonaro com ministros ajustando o foco na reforma e a fala de Paulo Guedes confiante de que os problemas de comunicação serão superados fizeram o dólar cair mais de 1%, com as mínimas atingidas ao final da tarde (R$ 3,8543). A notícia de que Justiça concedera habeas corpus a Temer e Moreira Franco ajudou. Juros futuros seguiram o dólar e também a queda dos rendimentos das treasuries 10 anos para nível mais baixo desde dezembro de 2017. O movimento da bolsa foi mais irregular: o índice oscilou entre baixas e altas, até fechar perto da estabilidade (-0,08% aos 93.662 pontos). O próprio presidente Jair Bolsonaro falou ao final do dia, no mesmo encontro da Frente Nacional de Prefeitos, em Brasília, onde antes discursara Guedes. “No meu governo sempre manteremos viés pró-mercado”, disse ele.


No exterior, as bolsas americanas ficaram de lado depois que os yields das treasuries caíram para abaixo de 2,4% pela 1ª vez desde dezembro de 2017. Os operadores reduziram o valor de ativos de risco em meio à crescente preocupação com a crise global e depois que os valuations de ações subiram perto dos níveis atingidos durante o auge da euforia do ano passado. A libra reverteu alta depois que a primeira-ministra Theresa May disse não haver apoio suficiente no Parlamento para votação de seu plano para o Brexit.


Hoje o Ministro Paulo Guedes vai à CCJ falar da reforma da Previdência e deve tentar ampliar a pacificação entre o governo e a classe política. Há possibilidade de o relator da reforma ser nomeado. Apesar do embate entre Bolsonaro e Maia, Eurasia prevê que a reforma passará no Congresso, apontando 70% de probabilidade de aprovação. Sérgio Moro se junta ao clima de armistício, afirmando que atrito com presidente da Câmara foi superado. Notícia de que Maia barrará pauta pomba também favorece humor, mas melhora do ambiente político ainda enfrenta desafios, com contestações a líderes no Congresso. No exterior, juros das treasuries, S&P futuro e petróleo sobem, mas moedas têm desempenho misto. Pessimismo com curva invertida de juros é questionado e EUA divulgam dados de confiança do consumidor e moradias, após números da semana passada sugerirem desaceleração da economia global.




Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre