Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 26/02/2021

Ontem: A contínua escalada dos rendimentos dos Treasuries foi o motor dos ativos globais nesta quinta-feira e abalou os do Brasil, levando o dólar a ser negociado no mercado local acima de R$ 5,52 mesmo após dois leilões à vista do BC, nos quais a autoridade vendeu mais de US$ 1,5 bi. A bolsa perdeu 3% e os juros dispararam, levando a curva a precificar quase integralmente uma alta de 0,50 pp na Selic em março. O yield dos Treasuries de 10 anos chegou a 1,61%, o maior nível em um ano. Além de movimentos técnicos, a alta refletiu expectativas de recuperação econômica dos EUA, inflação e início do desmonte de estímulos que ajudaram no combate aos efeitos da pandemia, ainda que o presidente do Fed, Jerome Powell, venha reiterando que a economia ainda precisa de apoio. Por aqui, presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, disse que a PEC Emergencial será votada na quarta-feira.


Hoje: Rendimento dos treasuries recua para menos de 1,5% após disparar para até 1,6% ontem. Alívio, contudo, parece ser uma correção após as fortes variações da véspera, ainda sem um catalisador concreto que mude o receio de que a inflação leve à reversão dos estímulos nos EUA. Mercado deve buscar pistas em dados americanos, como os de renda e despesas pessoais e o PCE. Bolsonaro promete auxílio de R$ 250 em março, mas votação da PEC emergencial só deve ocorrer na quarta-feira, ainda sem que senadores assegurem as contrapartidas fiscais. Covid-19 também gera cautela com números perto de recordes e UTIs lotadas. Agenda carregada no Brasil traz resultado fiscal consolidado, após dados acima do previsto do governo central e arrecadação ontem, além da taxa de desemprego e reunião da Aneel sobre bandeira tarifária. Vale reverte prejuízo e receita supera estimativa, embora provisão por Brumadinho gere lucro menor que esperado.


Bom dia e bom final de semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo