Buscar
  • Vinicius Verdu

Morning Call - 23/06/2022

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário externo, onde prevaleceram os temores com a economia dos EUA e o consequente mergulho das commodities. O presidente do Fed, Jerome Powell, reconheceu a possibilidade de recessão e admitiu que um pouso suave da economia é muito desafiador. Juros futuros acompanharam a queda dos rendimentos americanos, na véspera de coletiva do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, e de reunião do Conselho Monetário Nacional para decidir meta de inflação. Já o Ibovespa caiu pressionado pelas matérias-primas, com Vale liderando perdas. Ações da Petrobras voltaram a ceder com pressões do governo. Pela manhã, Jair Bolsonaro afirmou que os novos diretores da estatal podem mudar sua política de preços.


Hoje: Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, concede entrevista após apresentação do diretor de política econômica do BC, Diogo Guillen, a partir das 11:00. Dirigentes falam após ata da última reunião mostrar sinalização um pouco mais hawkish, com o compromisso de manter a Selic mais alta por mais tempo. Jerome Powell volta a falar, desta vez na Câmara, depois de preocupar os mercados com fala sobre possibilidade de recessão. As declarações do presidente do Fed na véspera e dados fracos da Europa derrubam yields e commodities nesta quinta-feira. Por aqui, CMN discute meta de inflação para 2025. IPC-S desacelera, antes do IPCA-15 amanhã. No campo corporativo, CVC define preço por ação em oferta. Pesquisa Exame/Ideia mostra Lula com 45% e Jair Bolsonaro com 36% no primeiro turno. Datafolha também está prevista para hoje.


Bom dia

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo