Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 23/02/2021

Ontem: A troca da presidência da Petrobras pelo presidente Jair Bolsonaro penalizou severamente as ações da empresa, com perdas de pouco mais de 20%, enquanto Ibovespa caiu pouco mais de 4%. O dólar chegou a subir quase 3% e superou a casa dos R$ 5,53, mas reduziu o avanço com um leilão de swaps de US$ 1 bi, além de leilão de rolagem já agendado. Também o exterior melhorou um pouco à tarde e sinalizações de que a agenda econômica deve andar nesta semana ajudaram a melhorar o humor, além de terem aberto espaço para realização. Os juros futuros reduziram avanço junto com dólar, mas curva elevou precificação de alta da Selic em março, numa visão de que o dólar pode ficar mais pressionado se isso não acontecer. Arthur Lira confirmou que as PECs emergencial e do Pacto Federativo, com cláusula de calamidade, têm votação prevista para quinta-feira no Senado.


Hoje: Recibos da Petrobras mostram desempenho misto na Alemanha, sugerindo que cautela persiste após ação despencar mais de 20% na B3 e empresa perder mais de R$ 70 bi em valor de mercado. Conselho da estatal se reúne nesta terça-feira. Ministro Paulo Guedes participa de dois eventos e tem oportunidade para quebrar o silêncio sobre a liquidação de ativos brasileiros vista ontem, com investidores questionando o futuro da agenda liberal do governo após Bolsonaro trocar o comando da Petrobras. Campos Neto reúne-se com presidente do BB e diretores do BC fazem reuniões trimestrais com economistas do mercado. Encontros ocorrem após pressão cambial levar mercado a ampliar fortemente as apostas em alta do juro, passando a precificar chances majoritárias de aumento de 0,50 pp. Selic maior pode ajudar o real, mas suporte imediato deve seguir vindo de eventuais atuações do BC com swaps. No exterior, bolsas seguem com viés negativo e metais recuam. Investidores monitoram pronunciamentos de Powell hoje e amanhã em meio aos receios de alta da inflação que vêm pressionando os yields. Agenda destaca leilão de NTN-B e IPC-S no Brasil e índice da Conference Board nos EUA.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo