Buscar
  • Mateus Cosac

Morning Call - 22/11/2019

O otimismo com o cenário para ações brasileiras levou o Ibovespa a descolar das bolsas americanas ontem e subir mais de 1%, deixando em segundo plano as tensões comerciais e também políticas entre EUA e China, que permearam os mercados ao longo do dia. Ao final da tarde, no entanto, o S&P 500 reduziu as perdas e essa melhora deu espaço ao dólar para apagar a alta frente ao real. Na máxima do dia, o dólar chegou a superar R$ 4,22, antes de voltar a operar abaixo de R$ 4,20. Os juros futuros mostraram alta forte e curva anulou a precificação de Selic abaixo de 4,5%. Para isso contam os dados de atividade em recuperação, o dólar mais pressionado e os sinais de cautela do BC, cujo presidente, Roberto Campos Neto, reiterou que, se a desvalorização contínua do câmbio começar a afetar inflação, o BC terá de atuar de forma diferente na política monetária. No exterior, as bolsas americanas caíram com sinais conflitantes sobre a perspectiva de acordo entre EUA e China. O dólar índice ficou estável. O principal negociador comercial da China disse estar “cautelosamente otimista” com o acordo, mas tensões permanecem com projeto de lei norte-americano de apoio aos protestos em Hong Kong encaminhado à Casa Branca para sanção. A China ameaçou retaliar caso o projeto de lei seja aprovado e disse que apoiar os manifestantes era uma interferência “bruta” nos assuntos de Hong Kong.


Hoje, alta das bolsas e commodities no exterior, em meio a expectativas com negociações EUA x China, ajuda a sustentar viés favorável esta manhã. Contraponto negativo vem da Colômbia, que se junta ao Chile, Bolívia, Iraque e Irã entre os países sacudidos por protestos na América Latina e Oriente Médio. O IPCA-15 ganha holofotes e tem estimativa de leve aceleração mensal e discreta desaceleração no comparativo anual. O número pode testar a correção recente dos juros futuros, que passaram a precificar pouco menos de 50 pontos de corte adicional da Selic, ante 65 no início do mês. Agenda destaca PMIs nos EUA e possível manifestação dos interessados por ativos da Petrobras.


Bom dia e um excelente final de semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Morning Call - 18/06/2021

Ontem: Os juros futuros curtos e médios dispararam e a curva perdeu a inclinação após o Copom adotar uma comunicação hawkish e deixar janela aberta para acelerar ritmo de alta da Selic, caso as expect

Morning Call - 17/06/2021

Ontem: A previsão de dirigentes do Fed de que os juros nos EUA podem ter dois aumentos até final de 2023 - um ritmo de aperto mais rápido do que o esperado - trouxe pressão aos ativos no exterior e no

Morning Call - 16/06/2021

Ontem: Os juros futuros curtos estenderam a alta, no aguardo de decisões do Fed e do Copom. O dólar virou para a queda no período da tarde, com fluxo vendedor e também na esteira da expectativa de alt