Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 22/01/2020

Ativos brasileiros acentuaram perdas ontem à tarde sob um conjunto de notícias externas e internas. O dólar chegou a superar os R$ 4,21 depois que o Banco Central do México anunciou leilão de swap, a ser realizado hoje, para estender prazos de dívida do governo. Poucos minutos antes, circulou a informação de que um caso do coronavírus Wuhan foi detectado em Washington, justamente quando os mercados se preocupavam com as chances de o próximo feriado prolongado na China ampliar propagação da doença. A bolsa continua sendo abalada pela queda dos bancos e da Vale, cujo ex-presidente, Fabio Schvartsman, além de outras 15 pessoas, foi acusado de homicídio doloso pelo desastre de Brumadinho. Os juros futuros ampliaram a baixa à tarde, na contramão do dólar, com cautela dos investidores diante da fraqueza da atividade, expectativas de resultados frustrantes do varejo e segunda prévia IGP-M abaixo do esperado, que alimentaram apostas de que Selic pode ficar parada por mais tempo ou mesmo ser reduzida. No EXTERIOR, as bolsas americanas caíram em meio às preocupações com o potencial impacto econômico da migração do vírus originário na China aos EUA. Casos recentes de contaminação por um vírus na China alimentam receios sobre uma potencial epidemia em um momento em que o país se prepara para o Ano Novo Lunar, uma época tipicamente forte para gastos com viagens e consumo. Seis mortes foram confirmadas e número de doentes chega a 291. Nos EUA, teve início o julgamento do impeachment de Trump no Senado, que deve ser não evento para o mercado.


Hoje o S&P futuro tem leve alta após bolsas asiáticas fecharem positivas com ações de Pequim para conter a disseminação do coronavírus. Notícia de que a doença atingiu Hong Kong, um dia após primeiro caso nos EUA ser reportado, mantém sentimento de cautela. Mercado monitora risco antes de feriado chinês e OMS pode se pronunciar hoje. Agenda fraca traz dados de moradia e atividade do Fed de Chicago nos EUA. Guedes segue em Davos e BC divulga fluxo cambial. No noticiário corporativo, Vale expressa perplexidade ante acusação, Petrobras publica detalhes da oferta secundária que o BNDES fará de ativos da petrolífera, que tem decisão desfavorável do Carf.


Bom dia boa a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo