Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 21/10/2020

Ontem: O Ibovespa subiu quase 2% e retomou os 100.000 pontos, com papéis de bancos na liderança da alta, enquanto os juros futuros fecharam em queda na maioria dos vértices, e baixas de mais de 10 pontos nos médios e longos, com continuidade do bom humor em meio às últimas declarações de autoridades sobre disciplina fiscal. Expectativa em torno de um acordo para um pacote de ajuste fiscal nos EUA foi outro motivo para tais movimentos. As bolsas americanas subiram enquanto parlamentares negociavam o tamanho de um potencial pacote de estímulo para impulsionar a recuperação econômica dos EUA.


Hoje: O acordo para o estímulo trilionário nos EUA não saiu no prazo final de ontem, mas nova tentativa de negociação hoje entre Pelosi e Mnuchin dá sustentação ao bom humor. Menor aversão ao risco puxa yields dos treasuries e derruba o índice dólar. Metais se valorizam com demanda chinesa e greve no Chile, enquanto bolsas europeias destoam em queda. No Brasil, mercado pode reagir ao relatório da Petrobras, que apontou crescimento de 4,4% da produção no país, com volume total acima das expectativas, e elevou meta para 2020. Em Brasília, Maia propõe acelerar votação de medidas decorte de gastos, após falas recentes do presidente da Câmara e Guedes alinhadas com ajuste fiscal terem ajudado a aliviar os juros e impulsionar a bolsa acima dos 100.000 pontos. Agenda destaca arrecadação, que deve trazer queda m/m e alta a/a, aqui, e Livro Bege nos EUA. Onda de IPOs aponta aceleração com Tok&Stok, Dotz, Grupo Fartura e Uni.co.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre