Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 21/03/2019

Os números da proposta da reforma previdenciária dos militares vieram como uma ducha fria para um mercado ontem que, pouco antes, celebrava a sinalização do Fed de nenhuma alta de juros em 2019, o que levara ativos emergentes a fortes ganhos. A economia líquida contida na proposta dos militares, de R$ 10,5 bi em 10 anos, veio no piso das estimativas do mercado, já que a economia total prevista foi dragada em sua maior parte pela reestruturação da carreira nas Forças Armadas. Isso também gerou receios de mais desidratação no projeto geral durante a tramitação no Congresso. O dólar reduziu substancialmente a queda vista antes - e que levara à cotação mínima de R$ 3,7390 - e voltou ao patamar de R$ 3,77, onde fechou o dia. A bolsa acentuou a baixa e fechou com queda de 1,55% aos 98.041 pontos. Os juros futuros já tinham encerrado a sessão regular em queda, reagindo ao Fed dovish, quando o Copom anunciou a manutenção da Selic em 6,5% aa.


Lá fora, as bolsas americanas subiram momentaneamente após decisão do Fed, para perder fôlego em seguida. O presidente do Fed, Jerome Powell, enfatizou o tom de paciência e sinalizou que não haverá mais aperto monetário nos EUA este ano e disse que irá terminar o seu processo de redução do balanço em setembro. Em dezembro passado, a projeção era de duas altas de juros em 2019. O petróleo chegou a subir acima de US$ 60 em NY pela 1ª vez em mais de quatro meses, após a maior queda dos estoques americanos desde julho.


Hoje o mercado de juros deve reagir ao comunicado do Copom de ontem, visto como marginalmente dovish. O BC mudou o balanço de riscos para simétrico, o que poderia abrir espaço a juros menores, ainda que tenha alertado que avaliação sobre a economia demanda tempo, desencorajando apostas no curto prazo. Mensagem equilibrada do 1º Copom de Campos Neto é elogiada, mas efeito no mercado tem contraponto da má repercussão da reforma da Previdência dos militares. A proposta recebeu críticas de parlamentares por ser considerada generosa demais, contraditória com o discurso de que os sacrifícios seriam iguais para todos e coincide com queda da popularidade de Bolsonaro apontada no Ibope. O mercado externo tem manhã indefinida. Moedas emergentes estendem ganhos e yields recuam.




Posts recentes

Ver tudo

Sexta: A deterioração da percepção de risco sobre as contas públicas ditou o rumo dos mercados locais e os juros futuros dispararam mais de 20 pontos nos trechos intermediário e longo da curva. O pres

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern