Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 20/07/2020

Sexta: Ibovespa subiu 2,3%, a maior alta em mais de um mês, e superou 102.000 pontos, enquanto os juros futuros recuaram, principalmente nos vértices longos, com otimismo dos investidores diante da perspectiva de o governo levar sua proposta de reforma tributária ao Congresso amanha. Já o dólar permaneceu na volatilidade característica dos últimos dias e subiu, com o real liderando perdas nas cestas de principais moedas globais e emergentes - exatamente o contrário do que aconteceu na véspera . A bolsa encerrou, assim, sua terceira semana seguida de valorização, com ganho de 2,9% no período. O dólar elevou o avanço semanal para cerca de 1% ao final da tarde, na segunda semana consecutiva de alta. LÁ FORA, o S&P 500 subiu pela terceira semana seguida. Investidores digeriram balanços, dados econômicos e notícias sobre o avanço do coronavírus no país. Novos casos nos EUA subiram 2,1%.


Hoje: Ativos abrem a semana com desempenho misto atentos à perspectiva de acordo sobre pacote de estímulos na União Europeia sendo contrabalançado por receios sobre o vírus nos EUA e a economia global. Euro sobe, mas bolsas europeias recuam, enquanto moedas emergentes têm ganhos discretos e o S&P futuro aponta ligeira queda. AstraZeneca sobe antes de estudo de vacina com Oxford. No Brasil, mercado segue monitorando a reforma tributária. Pesquisa Focus abre semana que terá IPCA-15. B3 tem vencimento de opções sobre ações e, após fechamento, Vale divulga relatório com expectativa de recuperação em sua produção e lucratividade. Ainda no campo corporativo, concorrentes fazem oferta conjunta pela telefonia móvel da Oi. Bolsonaro volta a criticar isolamento e números da Covid-19 têm queda no fim de semana. Agenda no exterior é reduzida.


Bom dia e boa semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo