Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 20/04/2020

Sexta: Os ativos brasileiros mostraram maior alívio ao final do dia, diante da melhora de mercados emergentes, mas sem abandonar as preocupações com os desentendimentos entre governo e Congresso, que parecem cada vez maiores e nublam o cenário de continuidade das reformas estruturais quando a pandemia for dissipada. O Ibovespa fechou em alta de 1,5%, maior avanço em mais de uma semana, embora as bolsas americanas tenham subido bem mais, na esperança com os planos para reabertura das atividades nos EUA e com a corrida para um novo tratamento contra o coronavírus. Na semana, a segunda seguida de alta, o índice ganhou 1,7%. O dólar apagou a alta vista na maior parte do dia, encerrando na estabilidade. Ainda assim, o dólar subiu mais de 2% na semana. O Senado aprovou em segundo turno a chamada PEC do Orçamento de guerra, que amplia os poderes do Banco Central para comprar títulos públicos e privados. No EXTERIOR, a perspectiva de início da retomada da atividade econômica e sinais de esperança em relação ao tratamento contra o coronavírus sustentaram a alta das bolsas americanas. Hoje: S&P futuro recua e bolsas europeias cedem com novo tombo do petróleo ofuscando sinais de estabilidade da pandemia em alguns países. Barril do WTI cai abaixo de US$ 15 com alta dos estoques, embora queda seja em boa parte relacionada ao vencimento de contratos futuros. Na contramão, minério de ferro sobe após Vale baixar guidance de produção. Moedas mais sensíveis ao petróleo, como peso mexicano, recuam. No Brasil, clima politico esquenta ainda mais com as reações às manifestações do final de semana. Atos põe à prova o relativo sangue frio do mercado, que tem reagido pouco a outros embates, como o do presidente com Maia. Campos Neto diz no SBT que cenário piorou desde último Copom e mostra preocupação com o fiscal. Agenda limitada na véspera do feriado inclui Focus, vencimento de opções e leilão de swap para rolagem. Casos da Covid-19 se aproximam de 40.000 no Brasil. Bom dia e boa semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo