Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 20/02/2020

Ontem: Ibovespa subiu mais de 1%, em consonância com ganhos das bolsas americanas e também com bons resultados corporativos domésticos, enquanto aguardava o balanço da Petrobras após o fechamento do mercado. O dólar chegou a superar os R$ 4,37 mais cedo, sem que BC anunciasse qualquer tipo de atuação. Os juros futuros passaram à queda durante a tarde, com fluxo, e depois de investidores relegarem a segundo plano os ruídos envolvendo Paulo Guedes. No EXTERIOR, as bolsas americanas subiram após sinais de que a China planeja novas medidas de apoio à economia, que sofre com a desaceleração causada pelo vírus, e depois de dados apontarem para um crescimento sólido dos EUA. A China estuda medidas como fusões e injeção direta de capital para socorrer o setor aéreo, abalado pelo surto de coronavírus. As discussões estão em andamento e nenhuma decisão foi tomada a respeito da estrutura final do pacote de resgate. Em ata divulgada ontem, o Fed disse que a política monetária atual segue apropriada por “um tempo”, enquanto BC americano permanece em alerta contra riscos domésticos e locais para a economia dos EUA.


Hoje: O dólar deve retomar a pressão que perdeu no fechamento de ontem com tensão renovada no mercado global sobre o coronavírus. Rand e moedas asiáticas lideram perdas com sinais de aumento dos casos em países da Ásia fora da China. No Brasil, IPCA-15 tem estimativa de desaceleração e pode renovar apostas em corte da Selic se ficar abaixo do esperado. Dados de arrecadação e confiança podem trazer primeiras pistas sobre economia em janeiro após decepção com números no final de 2019. Petrobras tem lucro anual recorde, mas Ebitda frustra estimativa, enquanto números da Marfrig e GPA superam previsões. Safra de balanços prossegue com Vale como destaque. Na política, em meio a noticiário pesado, reforma ganha apoio de Bolsonaro após polêmicas de Guedes.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo