Buscar
  • Mateus Cosac

Morning Call - 18/11/2019

O dólar chegou muito perto do patamar psicológico de R$ 4,20 na quinta-feira, em movimento guiado pelas incertezas da guerra comercial, dados fracos da China e nova queda do peso chileno, mesmo com atuação do BC local. Cautela na véspera de um fim de semana prolongado também pesou, com liquidez menor nos negócios. O Ibovespa manteve o patamar de 106.000 pontos, em movimento contido de alta antes do feriado, além de bolsas sem direção definida em NY com impasse sobre o acordo comercial e dados fracos da economia chinesa. Os juros futuros encerraram a sessão regular com pouca alteração e viés de queda nas taxas longas. No exterior, as bolsas americanas operaram perto da estabilidade com investidores digerindo últimos dados econômicos e dúvidas sobre as negociações comerciais entre EUA e China. O S&P 500 se afastou dos recordes alcançados na última semana, provocados por esperanças de que os EUA e a China chegassem logo a um acordo, o que não aconteceu. Números econômicos vindos da China reforçaram as preocupações de que a guerra comercial está pesando sobre a economia global. Produção industrial, crescimento das vendas do varejo e investimentos em ativos fixos na China frustraram as expectativas. O peso chileno repetiu a liderança de perdas entre 24 moedas emergentes e em cesta de moedas latino-americanas, mesmo após atuação do BC local no mercado.


Hoje o mercado brasileiro deve se ajustar ao sentimento que dominou as bolsas na sexta-feira, quando o mercado brasileiro estava fechado por conta do feriado e o otimismo com um acordo EUA-China levou o S&P a fechar em novo recorde. O ETF brasileiro (índice brasileiro negociado em NY) pegou carona no rali e o CDS do país (risco Brasil negociado no exterior) interrompeu série de quatro altas seguidas. No Chile, o peso também teve 1ª alta em sete dias com acordo para nova constituição. Esta segunda tem agenda fraca no exterior e aqui o BC divulga a Focus, que pode refletir últimos dados mais positivos para a atividade. Ainda sai IPC-S e B3 realiza vencimento de opções. Novo feriado fecha bolsa em São Paulo na quarta e IPCA-15 será destaque na sexta. Maia vê reforma tributária, a mudança na lei do saneamento e autonomia do BC aprovadas até metade de 2020. Sobre Eletrobras, presidente da Câmara vê resistência do Senado à privatização.


Bom dia e boa semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Morning Call - 18/06/2021

Ontem: Os juros futuros curtos e médios dispararam e a curva perdeu a inclinação após o Copom adotar uma comunicação hawkish e deixar janela aberta para acelerar ritmo de alta da Selic, caso as expect

Morning Call - 17/06/2021

Ontem: A previsão de dirigentes do Fed de que os juros nos EUA podem ter dois aumentos até final de 2023 - um ritmo de aperto mais rápido do que o esperado - trouxe pressão aos ativos no exterior e no

Morning Call - 16/06/2021

Ontem: Os juros futuros curtos estenderam a alta, no aguardo de decisões do Fed e do Copom. O dólar virou para a queda no período da tarde, com fluxo vendedor e também na esteira da expectativa de alt