Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 18/10/2019

Os juros futuros estendem a baixa ontem e elevaram as chances de uma redução maior da Selic, após a produção industrial dos EUA e dado de moradias frustrarem as expectativas e enfraquecerem a moeda americana globalmente, o que reforçou a visão de cortes pelo Fed. Ganham algum corpo as apostas, ainda minoritárias, em redução de 0,75 pp da Selic no Copom de outubro. Real ficou na contramão do fortalecimento da maioria das moedas frente ao dólar nesta quinta-feira, com a visão de que os juros mais baixos no Brasil continuarão reduzindo o atrativo do carry trade. A moeda brasileira teve a pior performance global. O Ibovespa caiu com realização. Imbróglio entre PSL e Bolsonaro é acompanhado pelo mercado, sem maior impacto sobre preços. Lá fora, as bolsas americanas subiram com séries de balanços, na maioria positivos, apresentados até agora. Dúvidas sobre o acordo entre Reino Unido e UE para o Brexit permanecem depois que membros do Partido Sindicalista Democrático da Irlanda do Norte disseram que o partido não apoiará o acordo. A produção nas fábricas dos EUA registrou maior queda em 5 meses em setembro com dados pressionados por uma greve na GM, além da demanda global fraca.


Hoje os mercados digerem o PIB levemente abaixo do previsto na China, mas que teve contraponto da produção industrial acima do projetado. O S&P futuro tenta reverter baixa, o minério de ferro aponta recuo moderado e ativos sensíveis à economia chinesa, como cobre, dólar australiano e maioria das moedas emergentes se sustentam com leves ganhos. Libra oscila antes de votação do Brexit amanhã e acordo Turquia-EUA sobre Síria alavanca lira. No Brasil, crise PSL x Bolsonaro domina jornais, mas não se espera efeito na votação da Previdência, na terça. Agenda limitada traz índice de antecedentes e fala de Clarida nos EUA, além de prévia do IGP-M no Brasil.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre