Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 17/02/2020

Ontem: Duas intervenções seguidas do BC com swaps cambiais, somadas a um dólar um pouco mais fraco no exterior, chegaram a trazer o nível do câmbio no mercado local para abaixo de R$ 4,30 na sexta feira, depois de as cotações terem chegado a superar R$ 4,38 na quinta-feira. Analistas comentaram que o BC, mesmo com um volume modesto na atuação, começou a quebrar a dinâmica vista no mercado depois de fala de Paulo Guedes sobre os benefícios de um dólar alto e declarações de Roberto Campos Neto de que câmbio é flutuante. Dúvida agora é se autoridade monetária segue com os leilões ou se faz uma parada para observação. A queda do dólar de mais de 1% na sexta teve efeito direto no aprofundamento da baixa dos juros. O Ibovespa ampliou perdas à tarde, sob pressão de Vale e bancos, em meio ao cenário incerto em relação ao coronavírus. No EXTERIOR, as bolsas americanas encerraram o dia perto da estabilidade após dados do varejo em linha com estimativas (vendas no varejo +0,3% em janeiro). Investidores continuaram digerindo dados mistos sobre a propagação do coronavírus na China. Wuhan, a cidade chinesa onde o surto está concentrado, aumentou ainda mais as restrições para a quarentena dos moradores; as pessoas não terão permissão para deixar seus bairros, exceto para procurar atendimento médico, ajudar no trabalho médico e de quarentena ou auxiliar em funções vitais. A província chinesa de Hubei registrou quase 5.000 novos casos de coronavírus, confirmando que os quase 15.000 relatados no dia anterior eram um ajuste pontual devido a novo método de contagem de infecções. O petróleo subiu pela 4ª sessão seguida.


Hoje: A semana começa com o alívio no câmbio sendo testado pela ausência da autoridade monetária, que não anunciou atuação para hoje até agora. Real pode ganhar alguma ajuda do mercado externo, que tem manhã com viés positivo. Apesar de o coronavírus seguir avançando, bolsas externas sobem após países asiáticos prometerem apoiar suas economias e BC chinês reduzir juro. Hedge funds reduzem posição comprada em dólar. Liquidez pode ser menor com feriado nos EUA. Agenda no Brasil traz Focus, IPC-S e vencimento de opções sobre ações, além de balanço da Magazine Luiza antes da abertura. Ainda na cena corporativa, resultado da Cosan frustra estimativa e Carrefour fecha compra de lojas da Makro.


Bom dia e boa semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo