Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 16/09/2021

Ontem: Ibovespa encerrou pregão na contramão externa, em baixa de quase 1%, com dados fracos da economia chinesa e queda do minério de ferro com redução da produção de aço. Receios fiscais, diante de incertezas com uma solução para os precatórios e para o Bolsa Família que não afete o teto de gastos também pesaram para a bolsa, assim como para os juros futuros, que subiram, depois do tombo da véspera com fala de Campos Neto. A alta de mais de 3% do petróleo beneficiou as ações da Petrobras e da Petro Rio, mas também contribuiu para alta dos juros por receio de maior pressão inflacionária. O dólar passou a maior parte do dia em alta moderada, mas operava em leve queda ao final da tarde. Presidente da Câmara, Arthur Lira, disse que solução para precatórios será via Congresso e líder do governo na casa, Ricardo Barros, disse que PEC será enviada ao plenário se aprovada pela CCJ, sem passar por comissão especial. As bolsas americanas tiveram a maior alta em quase 3 semanas com dissipação do receio com desaceleração do crescimento econômico.


Hoje: Leilão de prefixados testa humor do mercado com riscos fiscais renovados pelo impasse na agenda do governo e reduções nas expectativas de crescimento em 2022. Na semana passada, Tesouro anunciou oferta menor, antes da abertura. Juros ainda podem reagir nesta quinta-feira ao IGP-10, que tem estimativa de queda, enquanto o IPC-S deve seguir pressionado. No exterior, minério volta a despencar após Vale liderar perdas na B3 na última sessão. Petróleo pausa rali, sustentando os US$ 72. Bolsas europeias sobem, mas futuros em NY têm viés negativo e moedas emergentes recuam. Agenda destaca ainda varejo e seguro-desemprego nos EUA e, no Brasil, governo divulga projeções de PIB e inflação. Lira, que participa hoje de evento, defendeu ontem abreviação dos precatórios. Câmara aprova Código Eleitoral com quarentena para juízes e policiais e Guedes volta a dizer que baixa do dólar depende da política.


Bom dia

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo