Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 15/07/2019

No final do pregão de sexta-feira, o dólar reduziu a queda, descolando-se um pouco do movimento do Índice Dólar, e Ibovespa foi às mínimas do dia, perdendo o patamar de 104.000 pontos, com a notícia de que votação do 2º turno da reforma da Previdência da Câmara deve ficar para 6 de agosto. Os juros futuros acompanharam discretamente a reação mais cautelosa dos dois mercados. O ministro chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que o governo não pode arriscar a votar o 2º turno da reforma da Previdência se o quórum baixar de 485 deputados na sessão plenária de sexta-feira. Muito embora a chance de 2º turno após o recesso fosse comentada como uma possibilidade forte, a precificação do mercado de que seria possível a votação da Previdência nos dois turnos antes do dia 18 ensejou a correção. Ainda assim, o dólar caiu pela 5ª sessão seguida e para queda semanal de mais de 2%, reflexo da aprovação da reforma em 1º turno. Já a bolsa passou os dois últimos dias da semana em realização de lucros, depois de subir por 5 pregões consecutivos.


Lá fora as bolsas americanas encerram a sexta-feira na máxima histórica pelo segundo dia e também pela segunda semana seguida, com investidores agarrando-se ao otimismo cauteloso diante de perspectivas de alívio monetário, apesar de ganho maior do que o projetado do CPI divulgado ontem. A contração inesperada do PIB de Singapura e queda nas exportações da China reforçaram alerta sobre impacto das tensões comerciais na atividade e confiança nos negócios. O petróleo encerrou a melhor semana desde o meio de junho com a tempestade tropical Barry ganhando força após cortar a cerca da metade a produção no Golfo do México.


A semana começa com a confirmação de que a votação em segundo turno da reforma da Previdência ficará para depois do recesso. No exterior, indicadores mostram que a economia chinesa está se estabilizando após PIB do 2º tri ter maior desaceleração desde 1992. Dólar australiano e pares do real, assim como minério e mineradoras sobem. Nos EUA, dia tem índice Empire State, balanço do Citigroup e Prime Day da Amazon.




Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo