Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 15/02/2022

Ontem: A continuidade do fluxo para Brasil permitiu nova queda do dólar e impediu que o Ibovespa acompanhasse a baixa das bolsas em NY. No ano, enquanto o S&P recua 7,65%, o Ibovespa sobe 8,66%. Lembrando que no ano passado, o Ibovespa caiu 12% enquanto o S&P subiu 28%. Já os juros futuros encerraram a sessão regular em alta nos vértices curtos e médios, com investidores se protegendo da tensão que envolve Rússia e Ucrânia, depois de, mais cedo, o presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, reiterar a defesa de alta de 1pp nos juros americanos até julho. Ao final da tarde, o líder ucraniano Volodymyr Zelenskiy aumentou brevemente a preocupação dos mercados globais com o que parecia ser um comentário sarcástico sobre o resto do mundo prever uma data para um ataque russo. Na sequência, o petróleo WTI tocou US$ 95 o barril pela primeira vez desde 2014. Petrobras teve baixa em ajuste após subir 4% na sexta-feira e em meio ao ruído político sobre preços. Banco do Brasil subiu pelo terceiro dia antes da divulgação do balanço, após fechamento do mercado.


Hoje: Bolsas sobem e dólar cai após a agência Interfax noticiar que a Rússia está retirando algumas forças que estavam em treinamento. Alívio das tensões derruba preços do gás e petróleo, enquanto minério de ferro despenca com pressão da China. Baixa das commodities pode limitar ganhos de alguns ativos brasileiros, mas câmbio pode seguir favorecido pelo aumento das apostas em alta dos juros. Menor receio com a eleição, reconhecido ontem por Campos Neto, também beneficia o Ibovespa. Com alívio sobre a Ucrânia, mercado deve centrar foco na inflação. Agenda destaca o IGP-10, que deve subir para quase 2% no mês, e PPI dos EUA, também com estimativa de aceleração mensal. Juros ainda podem reagir ao leilão de NTN-B e LFT. Bolsa monitora avaliação do TCU sobre venda da Eletrobras e balanços como o do BB, que lucrou R$ 5,93 bi no 4º trimestre. Na política, Lula volta a falar e Moro comemora decisão do STJ. Bolsonaro chega a Moscou.


Bom dia

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo