Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 14/02/2019

A quarta-feira foi de ajustes, tanto no mercado de câmbio, quanto no de ações, porém mais forte no primeiro. O dólar subiu acima de R$ 3,75, mais do que compensando a queda da véspera, enquanto o Ibovespa limou apenas um pouco da alta de quase 2% da terça-feira (-0,34% aos 95.842 pontos), mais sustentado pelos ganhos de Vale e Petrobras. O real passou o dia entre as piores performances em cesta de 16 divisas globais, junto com o rand e o peso mexicano, acompanhando ampliação de perdas desses pares. Já os juros futuros estenderam a baixa, de olho na reforma da Previdência, cuja proposta pode ganhar seu contorno final com a volta de Jair Bolsonaro a Brasília, após alta hospitalar. O secretário da Previdência, Rogério Marinho, disse que o presidente receberá a proposta entre hoje e amanhã. Vendas do varejo mais fracas do que o esperado mostraram que a atividade econômica brasileira continua patinando e apoiaram o movimento dos juros futuros.

No exterior, as bolsas americanas subiram, porém com menos força do que mostraram mais cedo ontem, diante de proposta do senador Marco Rubio de elevar a taxação sobre a recompra de ações. Mais cedo, alta foi impulsionada por sinalização de Trump de que estaria aberto a prorrogar o prazo de 1º de março para aumentar as tarifas sobre produtos chineses se os dois lados estiverem próximos de um acordo.

Hoje as moedas emergentes amanheceram na contramão das bolsas e do petróleo que ganham valor no exterior na esteira do sentimento positivo com negociações comerciais e após balança chinesa surpreender. Agenda externa destaca PPI e varejo nos EUA e PIB europeu. Agenda local traz leilão do Tesouro, prisma fiscal e dado de serviços. Bolsonaro diz que baterá martelo sobre Previdência na tarde de hoje, quando se encontra com Guedes, confirmando expectativa do mercado de que saída do presidente do hospital deslancharia a reforma. No noticiário corporativo, BB tem lucro acima do estimado, Eletrobras pode captar R$ 4 bi e XP suspende vendas de fundos do BTG.



Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo