Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 13/10/2020

Sexta: O dólar caiu mais de 1%, primeira baixa semanal em cinco semanas, conforme as negociações sobre pacote de estímulos avançaram nos EUA e alimentaram a busca por risco. O presidente Donald Trump chegou a defender ajuda ainda maior do que a proposta por democratas. Juros futuros mostraram alívio também com a redução das tensões políticas locais. Rodrigo Maia e Paulo Guedes reafirmaram atuação conjunta em prol das reformas, enquanto Jair Bolsonaro negou o desmembramento da pasta da Economia. Mais cedo, IPCA acima do previsto levou à alta os contratos de juros com vencimentos mais curtos, porém movimento foi revertido com a baixa da moeda. O Ibovespa encerrou a sessão em leve queda com cautela antes do feriado e correção da alta da véspera. Construtoras ficaram entre principais destaques positivos após aumento de vendas no terceiro trimestre. Na semana, índice acumulou valorização perto de 4%. Em NY, o S&P 500 teve a maior alta semanal desde julho com esperanças por novos estímulos.


Hoje: Juros futuros podem estender alívio de sexta-feira após BC e Tesouro anunciarem mudanças no leilão de operação compromissada e na venda de LFT’s mais curtas. O mercado vinha mostrando resistência a papeis mais longos diante dos riscos fiscais elevados. Bolsas e moedas emergentes têm desempenho levemente negativo esta manhã com revés em vacina e à espera de balanços. Na volta do feriado, porém, Ibovespa deve ter ajuste positivo aos ganhos fortes dos índices americanos ontem. Expectativa com novo iPhone 5G da Apple e o Amazon Prime Day levou a novo recorde do Nasdaq nesta segunda-feira. Noticiário político destaca foco de Maia na PEC Emergencial e da equipe de Guedes nas privatizações em meio a dificuldades no Congresso. Agenda local traz leilão de NTN-B, Focus, estreia de ações do Grupo Mateus e início das negociações dos novos papéis da Natura. EUA terão CPI e balanços do JPMorgan e Citi, após balança na China confirmar sinais de retomada.


Bom dia e boa semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo