Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 16/11/2021

Sexta: A bolsa encerrou o dia em baixa e reduziu ganhos da semana sob pressão de resultados decepcionantes de varejistas e dados de serviço que evidenciaram a fraqueza da economia. Magazine Luiza e Natura despencam mais de 15%. O dólar subiu com cautela dos investidores antes do fim de semana prolongado pelo feriado e também com avanço dos yields e algum ajuste, após uma semana de bom desempenho do real. Os juros futuros encerraram a sessão regular perto da estabilidade na maioria dos contratos e quedas modestas nos vértices intermediários. A inesperada contração de serviços em setembro somou-se às frustrações do mês com indústria e vendas de varejo. E a atividade fraca levou os bancos a reduzirem projeções para o PIB, como o Credit Suisse, que já prevê contração econômica no ano que vem. As bolsas em NY subiram, lideradas por serviços de tecnologia e comunicação.


Hoje: Bolsas globais e moedas operam de lado enquanto mercado espera dado de varejo nos EUA, após dado Empire Manufacturing forte ajudar ontem reforçar a expectativa de aperto monetário. Falas de dirigentes do Fed e BCE também estão no radar. Yuan sobe após encontro Biden-Xi. No Brasil, quando mercado se mostrava conformado com a PEC dos precatórios, surge a notícia de que Bolsonaro quer usar a emenda para dar reajuste a policiais. IBC-Br tem estimativa de baixa no comparativo mensal, refletindo as frustrações recentes com dados de atividade. Por outro lado, IGP-10 e IPC-S devem mostrar que inflação segue pressionada e Estado diz que luz deve aumentar 21% no próximo ano. Campos Neto admite dificuldade com o fiscal em meio a alta da inflação e juros. Mercado de juros ainda pode ser afetado por leilão de NTN-B.


Bom dia e boa semana.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo