Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 12/04/2021

Sexta: Os ativos brasileiros reforçaram o comportamento defensivo durante à tarde, com o aumento de incertezas diante da decisão do STF de determinar a abertura de CPI para investigar ações do governo na pandemia, com potencial de embaralhar ainda mais as negociações para correção do Orçamento. Teme-se que a CPI no Senado seja um ponto de pressão a mais a favor do centrão e que iniba os cortes vistos como necessários nas emendas parlamentares da peça orçamentária, o que elevaria o risco fiscal. Ao mesmo tempo, a reação do presidente Jair Bolsonaro ao STF é um elemento de complicação do quadro político. O dólar encerrou a sessao perto das máximas e o real mostrou as maiores perdas entre moedas emergentes. Os juros futuros fecharam a sessão regular em forte alta e o Ibovespa caiu 0,5%, na contramão do bom humor em NY, onde as bolsas cravaram novos recordes com foco na recuperação econômica. Vale ampliou queda perto do final da sessão após Samarco ajuizar pedido de recuperação judicial.


Hoje: STF e Senado devem discutir CPI da Covid nesta semana, enquanto presidente Bolsonaro tenta mudar foco da comissão, incluindo governadores e prefeitos. Tensão política que ajudou a pressionar ativos brasileiros na sexta se soma à falta de solução para o Orçamento. Guedes é pressionado a elevar gasto para combater pandemia e Congresso tenta preservar emendas. Ministro da Saúde admite dificuldade com vacina e Fiocruz vê cenário crítico com evolução da Covid nas próximas semanas. Agenda destaca o BC, com Campos Neto em eventos abertos, pesquisa Focus e início da rolagem de swaps. Cenário corporativo traz precificação da oferta da Vale e assembleia que deve efetivar novo presidente da Petrobras. Mercado externo tem manhã mista, com bolsas e yield dos treasuries em leve baixa e moedas emergentes de lado.


Bom dia e boa semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo