Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 11/12/2019

Em mais um dia de pouca movimentação nos mercados, o dólar caminha para encerrou o dia de ontem em leve alta e os juros futuros fecharam de lado. Os investidores seguiram em compasso de espera pelos eventos mais importantes da semana: as reuniões do Copom e do Fomc na hoje e a conclusão das conversas entre EUA e China sobre o comércio. Autoridades chinesas esperam que Donald Trump adie o aumento de tarifas previsto para o dia 15, o que daria mais tempo para as negociações, segundo pessoas familiarizadas com o assunto. Aqui, com as apostas firmes em corte de 0,50 pp da Selic, as expectativas recaem sobre a sinalização do BC em relação ao encerramento do ciclo de alívio, o que pode afetar também o dólar. O Ibovespa voltou ao patamar de 110.000 pontos em sessão de ajuste. JBS foi destaque de queda com notícia de que o MPF quer a devolução de mais de R$ 21 bi por supostas fraudes no BNDES. Oi também caiu depois de buscas da PF na sede da empresa. No EXTERIOR, as bolsas americanas tiveram leve queda.


Hoje o Copom deve cortar Selic em mais 0,50 pp e calibrar sua comunicação, adotando tom de cautela e apontando que o ciclo de corte de juros terminou ou está prestes a acabar. Uma mensagem dovish (mais flexível), que aponte queda ainda maior do retorno do carry trade, poderá pesar no câmbio, sobretudo diante da expectativa de que o Fed deve interromper seus cortes hoje, antes da decisão do BC brasileiro. A fala de Powell, que deve reforçar pausa do alívio, também será monitorada. IPC-Fipe salta para 0,80% e prévia do IGP-M também deve mostrar aceleração, enquanto varejo tem estimativa de leve alta em outubro. Noticiário corporativo destaca IPO da XP, que levantou US$ 2,25 bi e saiu a R$ 27, acima do preço proposto. Ação começa a ser negociada nesta quarta na Nasdaq. Projeto do saneamento é adiado para hoje. Bolsas têm viés de baixa sem confirmação dos EUA de adiamento das tarifas contra China, mas alguns sinais seguem positivos no exterior. Investidores em emergentes mantêm otimismo, minério de ferro sustenta rali.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo