Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 11/05/2020

Sexta: A semana terminou melhor do que começou, com dólar e os juros futuros em queda e a bolsa em alta, graças à volta do apetite ao risco no exterior e à ausência de novas notícias negativas no campo da política interna. Avanços nas conversas entre EUA e China para a continuidade das negociações comerciais conferiu tom otimista aos mercados, apesar de payroll com forte perda de empregos em razão da crise provocada pelo coronavírus. Dólar caiu 1,8%, na primeira queda em seis dias, e reduziu alta semanal para 4,5%. O Ibovespa subiu 2,7% e retomou patamar de 80.000 pontos, ao maior nível desde o final do mês passado. Com isso, reduziu a perda na semana para 0,3%. Os juros futuros estenderam a queda pós-Copom com deflação mais aguda que o esperado no IPCA de abril e IGP-DI perto de zero, que corroboram projeções de que a inflação pode ficar abaixo do piso da meta este ano. Outro efeito da pandemia no Brasil é a paralisia da produção de veículos, que despencou 99,3% em abril, na maior queda da história. O aumento dos casos de contaminação levou o governador João Doria a ampliar a quarentena no Estado até o final do mês, sem descartar um lockdown se necessário. No EXTERIOR, as bolsas americanas subiram com maior apetite ao risco apesar de maior perda mensal de empregos em mais de 70 anos. O S&P 500 registrou a primeira alta semanal em três. Hoje: O mercado brasileiro aguarda a possível confirmação do veto presidencial à ampliação das categorias de servidores isentos da proibição de reajustes como contrapartida à ajuda aos estados, que pode sair hoje segundo os jornais. Bolsonaro tem reunião agendada com Guedes. Receios sobre status do ministro do governo seriam reduzidos se o veto for confirmado. A semana, que tem balanço da Petrobras no Brasil e fala de Powell nos EUA, começa com agenda fraca. BC divulga Focus e prossegue a temporada de balanços. No mercado global, bolsas e petróleo recuam e dólar se fortalece. Ameaça de ressurgência do coronavírus em lugares como a Coreia do Sul faz contraponto aos planos de flexibilização das restrições em alguns países europeus. Bom dia e boa semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo