Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 11/03/2020

Ontem: Depois do pânico de segunda-feira, ativos no mundo inteiro, inclusive no Brasil, mostraram uma recuperação parcial diante de sinais de que os EUA e outros países podem adotar medidas fiscais, além de monetárias, para enfrentar os efeitos do coronavírus sobre as economias. Trump não chegou a anunciar todo o pacote que prometera para esta terça, mas sinalizou ajuda a empresas aéreas e de cruzeiros e disse a senadores republicanos que quer alívio de imposto sobre as folhas de pagamentos até as eleições de novembro. Na Itália, que pode aumentar estímulos para US$ 18 bi, o primeiro-ministro, Giuseppe Conte, pediu ao BCE que atue na reunião de quinta-feira para ajudar a fortalecer a economia. Tal ambiente de humor melhor e mais a atuação do BC no câmbio, com venda de US$ 2 bilhões à vista, levaram o dólar ao patamar de R$ 4,64, rumo à maior queda desde setembro e a primeira em sete dias. Os juros futuros acompanharam o alívio do estresse, com forte queda nos vértices médios e longos. Apostas de corte da Selic no dia 18 voltaram a subir. E o Ibovespa recuperou mais da metade do tombo de segunda-feira, ao subir 7,1%, maior alta desde janeiro de 2009, na esteira de NY. Ações da Petrobras subiram em torno de 9%, depois da queda de quase 30% de segunda-feira.


Hoje: Guedes faz apelo ao Congresso para acelerar reformas e blindar economia da crise do coronavírus e petróleo, ao mesmo tempo em que a tensão externa leva governo a restringir foco em privatizações de maior porte. No câmbio, BC interrompe oferta de spot e retoma swaps justamente quando a aversão global ao risco ameaça voltar. Moedas pares do real se enfraquecem e S&P futuro cai cerca de 2% com falta de detalhes do plano de Trump, enquanto bolsas europeias sobem após BOE cortar juro em decisão emergencial. Petróleo volta a ceder. IPCA tem estimativa de desaceleração e pode mover juros, que reduziram apostas mais agressivas de corte recentemente com a cautela do BC. Agenda ainda traz IGP-M e reunião de Bolsonaro com Guedes aqui e CPI nos EUA.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: A fala de Bruno Serra vista como dovish (flexível) pelo mercado derrubou os juros futuros e ajudou a reduzir a precificação de alta da Selic para as próximas reuniões. O diretor de Política Mon

Sexta: Jerome Powell deu alívio aos mercados ao final de uma semana marcada por forte volatilidade. O presidente do Fed afastou um aperto de juros mais agressivo nas próximas reuniões, apesar de númer

Ontem: A volatilidade dominou a sessão desta quinta-feira. O dólar chega ao final da tarde com leves oscilações enquanto o índice da moeda no exterior subiu com a busca por ativos seguros. Os juros fu