Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 11/02/2021

Ontem: O tombo inesperado das vendas do varejo em dezembro, mais intenso do que as piores estimativas do mercado, levou os juros futuros e a bolsa à queda, reforçando as expectativas em torno de extensão do auxílio emergencial, que segue em discussão no governo e no Congresso. Analistas consideram como praticamente certa a aprovação, mas o receio é de que o desenho final possa ficar em desacordo com o Ministério da Economia, o que pode gerar fortes reações nos ativos. Por outro lado, foi considerada positiva a instalação da comissão mista do orçamento e a aprovação, na véspera, da urgência para votação da autonomia do BC - o texto-base para autonomia foi aprovado pela Câmara. Esses dois motivos, mais a percepção de que o BC segue atento aos movimentos do câmbio, depois dos leilões de swap da véspera com volume acima do usual, contribuíram para o dólar reverter a alta vista pela manhã, além de fatores técnicos. As bolsas americanas alternaram leves altas e baixas depois que dados moderados de inflação alimentaram preocupações com crescimento econômico fraco no curto prazo. O presidente do Fed, Jerome Powell, disse que o mercado de trabalho dos EUA ainda está longe de ter uma recuperação total e pediu para que os parlamentares e o setor privado apoiem os trabalhadores.


Hoje: Autonomia do BC marca 1ª vitória da nova base do governo capitaneada pelo centrão, que conseguiu aprovar o projeto com 339 votos, rejeitando todos os destaques. Câmara ainda aprovou o novo marco do câmbio, que pode abrir espaço a contas em dólar no país. Avanços desta quarta, juntamente com possibilidade de atuação cambial do BC, são contraponto aos receios fiscais que têm prejudicado os ativos brasileiros. Em entrevista à GloboNews, Lira defende reformas, mas diz que auxílio emergencial terá de ser prorrogado em valor de R$ 200 a R$ 300, sugerindo que medida poderá ser extra teto. Mercado externo aponta baixa volatilidade e liquidez menor, com feriado prolongado na China. Futuros do S&P e moedas emergentes têm ganhos modestos e yields recuam. Juros futuros ainda podem ser afetados pelo leilão do Tesouro, nova fala de Campos Neto e dado de serviços após decepção com varejo derrubar DIs ontem. EUA divulgam seguro-desemprego. No corporativo, IPO daCSN Mineração atrai demanda forte, diz Valor, enquanto lucro da Suzano supera estimativa e vítimas de Brumadinho tentam no STF barrar acordo da Vale.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo