Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 10/10/2019

Os juros futuros voltaram a cair forte ontem após a inflação voltar a surpreender o mercado para baixo, com o IPCA em -0,04%, no menor nível para meses de setembro desde 1998. Isso gerou um aumento das apostas de Selic mais baixa ao final do ciclo de flexibilização monetária, ao mesmo tempo em que sustentou o dólar entre a estabilidade e a alta, pela consequente perda de atratividade do carry trade. Algumas instituições já anunciaram revisões para baixo de suas estimativas para a Selic e analistas não descartam taxa a 4% ou menos, a depender da evolução do cenário. Na bolsa, ainda que a expectativa de juros mais baixos seja favorável às ações, o que predominou foi um alívio na tensão EUA/China, que também levou as bolsas americanas à alta. Lá fora, a China sinalizou que pode aceitar um acordo parcial com os EUA mesmo após o governo Trump impor restrições a companhias chinesas de tecnologia. Embora um acordo amplo pareça improvável, a China mostrou que está aberta a um acordo limitado, desde que não sejam impostas mais tarifas. Em troca, Pequim ofereceria concessões não essenciais, como compras de produtos agrícolas, sem ceder nos principais pontos problemáticos.


Hoje os mercados oscilam sem direção única em meio a notícias conflitantes sobre a guerra comercial. Bolsas ainda se ressentem de relatos de que negociadores chineses estariam vendo pouco progresso nas conversações. Por outro lado, dólar tem baixa e metais sobem com otimismo sobre um acordo parcial, que envolveria um pacto cambial entre EUA e China. CPI americano também pode mover negócios. No Brasil, Câmara aprova partilha dos recursos do pré-sal, pavimentando terreno para 2º turno da Previdência, embora projeto ainda tenha de passar no Senado. Leilão da ANP testa apetite estrangeiro e antecede o da cessão onerosa, que teve sinal verde do TCU.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre