Buscar
  • Mateus Cosac

Morning Call - 10/09/2019

O dólar iniciou a semana em alta, cotado a R$ 4,10, pressionado pelo avanço dos yields nos EUA e na Europa, em meio ao questionamento dos investidores sobre as apostas em um grande plano de estímulos por parte do BCE na reunião de quinta-feira. A desvalorização cambial, entretanto, não impediu que os juros futuros fechassem em queda, com o fortalecimento das apostas em corte da Selic, diante da atividade ainda fraca e a inflação sob controle. A precificação do alívio monetário voltou ao nível pré-estresse cambial e a discussão agora recai sobre a possibilidade de a Selic ir abaixo de 5%. O Ibovespa chegou a voltar a casa dos 104 mil pontos, puxado por setores beneficiados por medidas da China, mas acabou desacelerando com o exterior e também afetado por decepção no setor de varejo e encerrou o dia aos 103.180 pontos, alta de 0,24%.


Lá fora, as bolsas americanas encerram o dia de lado enquanto investidores aguardam a decisão do BCE nesta quinta-feira sem esperar medidas agressivas de estímulo monetário. O petróleo subiu depois que o novo ministro da Energia da Arábia Saudita sinalizou que a Opep e seus aliados continuarão com cortes de produção, enquanto o grupo se prepara para se reunir em Abu Dhabi.


Hoje os mercados externos operam sem direção clara, com viés negativo prevalecendo nas bolsas diante do compasso de espera com decisões do BCE esta semana e Fomc na próxima semana. Dólar tem desempenho misto e juros das treasuries recuam, devolvendo parte da alta anterior, que fez dólar no Brasil testar novamente R$ 4,10. Receio com Brexit permanece mesmo após Johnson falar em tentativa de acordo. Petróleo sustenta rali pós-mudança de ministro na Arábia Saudita. China reduz limite de investimento estrangeiro. No Brasil, fracassa tentativa de antecipar votação da Previdência, que terá de esperar prazo de cinco sessões, ficando para próxima semana. Globo ainda fala em risco de atraso adicional. Campos Neto tem compromissos em Londres e BC segue vendo cenário benigno, corroborando aposta do mercado em novo corte de 0,50 pp no próximo Copom.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Morning Call - 18/06/2021

Ontem: Os juros futuros curtos e médios dispararam e a curva perdeu a inclinação após o Copom adotar uma comunicação hawkish e deixar janela aberta para acelerar ritmo de alta da Selic, caso as expect

Morning Call - 17/06/2021

Ontem: A previsão de dirigentes do Fed de que os juros nos EUA podem ter dois aumentos até final de 2023 - um ritmo de aperto mais rápido do que o esperado - trouxe pressão aos ativos no exterior e no

Morning Call - 16/06/2021

Ontem: Os juros futuros curtos estenderam a alta, no aguardo de decisões do Fed e do Copom. O dólar virou para a queda no período da tarde, com fluxo vendedor e também na esteira da expectativa de alt