Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 10/07/2019

O Ibovespa subiu pelo 4º dia seguido e renovou recorde histórico na segunda feira na contramão das bolsas americanas, enquanto o dólar caiu e os juros encerraram a sessão em queda, com investidores renovando o otimismo de que a reforma da Previdência será aprovada pelo plenário da Câmara ainda esta semana. Mesmo numa segunda-feira espremida entre o fim de semana e o feriado em São Paulo, o mercado não deu sinais de maior cautela e nem se viu abalado pelo adiamento de uma reunião entre o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e líderes partidários, de segunda à noite para terça cedo.


No exterior, o mercado acionário na segunda feira foi mais defensivo, à espera de testemunho de Powell hoje, depois dos mais recentes números robustos do payroll.


A Câmara conclui o debate sobre a reforma durante a madrugada e o presidente da casa, Rodrigo Maia, convocou uma sessão para a manhã de hoje, quando tenta iniciar a votação da PEC da Previdência. Ontem, o início previsto da votação não se materializou em dia marcado por concessões em alguns pontos e notícias de liberação de emendas a parlamentares por Bolsonaro, que manteve discurso confiante. O governo, no entanto, mostrou força ao conseguir 331 votos para abrir os trabalhos, placar superior aos 308 necessários para aprovação da reforma. Os ETFs de Brasil subiram ontem e o CDS caiu com expectativa positiva para votação em dia de feriado em São Paulo.


Hoje, exterior tem ativos no aguardo do primeiro depoimento de Powell, do Fed, ao Congresso. Peso mexicano ainda segue pressionado por renúncia de ministro das Finanças.




Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre