Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 10/06/2020

Ontem: Os ativos brasileiros acompanharam o movimento global de realização de lucros após o rali visto nos últimos dias com o otimismo pelas reaberturas das economia e aqui, particularmente, também com redução do ruído político desde a aproximação do governo com o centrão. O dólar subiu 1,6%, depois de duas quedas seguidas, enquanto o Ibovespa perdeu 0,9%, na primeira baixa em oito dias. Nada mais do que uma pausa para respirar, segundo os analistas. Os juros futuros subiram mais pela manhã e devolveram a alta após a constatação de oferta menor de NTN-Bs em leilão do Tesouro e também com a queda forte dos rendimentos das treasuries americanas. LÁ FORA, as bolsas americanas reduziram as perdas com alta nos papeis de tecnologia, que compensaram a preocupação com avaliações e perspectivas econômicas. O Banco Mundial alertou que a economia global terá neste ano a maior contração desde a Segunda Guerra Mundial.


Hoje: Agenda forte antes do feriado tem poder de afetar os juros e o câmbio e balizar a decisão do Copom daqui a uma semana. Fed anuncia decisão às 15:00 e deve manter taxa inalterada, mas possível sinal de que juro seguirá baixo em 2021 e eventual indicação sobre a curva de yields ajudam dólar a recuar nesta manhã. Bolsas chegaram a subir mais cedo, mas perderam fôlego. Um eventual Fomc dovish (flexive) poderia ajudar o BC brasileiro a repetir o corte de 0,75 pp da Selic e/ou estender o alívio. Decisão ainda depende do IPCA, que deve ter tido deflação mais aguda em maio, com o índice anual desacelerando a menos da metade da meta de 4%, segundo os economistas. Números da Covid voltam a subir, mas não impedem retomada da economia. Comércio reabre hoje em São Paulo, segundo o Estado, enquanto a Azul, que já teve aumento na ocupação em maio, promete elevar número de voos, e JBS reabrirá planta de suínos. Santander nega que demitirá 20% dos funcionários. STF começa a julgar inquérito das fake news após TSE ontem adiar decisão sobre chapa Bolsonaro-Mourão. Agenda ainda traz CPI nos EUA.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo