Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 10/01/2022

Sexta: O aumento dos ganhos médios por hora acima do esperado e queda da taxa de desemprego em dezembro nos EUA ampliaram a expectativa de que março será o ponto de partida para alta dos juros norte-americanos e direcionaram os ativos globais. O indício de pressão inflacionária no mercado de trabalho norte-americano corroborou a postura mais hawkish apresentada pela Ata do Fomc na quarta-feira, apesar da criação de vagas abaixo do esperado. Bolsas de NY cairam, yields dos Treasuries subiram e os juros domésticos acompanharam. No câmbio, o dólar teve direção contrária com queda, que era de 0,9% no fim da tarde, cotado ao redor de R$ 5,63, após inicialmente reagir em alta ao payroll. Real se comportou alinhado aos pares emergentes. O Ibovespa encerrou o dia em alta, reduzindo perda da semana, puxado por Vale.


Hoje: Mercados globais abrem a semana mistos enquanto investidores aguardam na semana CPI nos EUA e China e fala de Powell, que podem gerar volatilidade. Goldman já prevê quatro altas de juros pelo Fed em 2022. Yields estendem alta e bolsas têm desempenho misto. Ômicron segue como ameaça e receio de avanço da nova cepa na China derruba o minério de ferro, enquanto petróleo sustenta os US$ 79. No Brasil, juros futuros devem reagir à Focus na véspera do IPCA, que sai amanhã e deve ter desaceleração mensal, mas fechar 2021 perto dos dois dígitos. Agenda ainda traz IPC-S aqui e fala de Bostic nos EUA. Bolsonaro diz que servidores podem ficar sem reajuste, em meio à pressão de policiais nos estados por reajuste após governo federal sinalizar aumento à PF. Campos Neto pega covid. No corporativo, Vale informa deslizamento de terra sem feridos em Salobo e Silva e Luna diz que Petrobras não pode fazer política pública.


Bom dia e boa semana

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre