Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 09/10/2019

A escalada das tensões EUA/China - agora com a proibição do governo americano para concessão de vistos a autoridades chineses envolvidas com as prisões em Xinjiang -derrubou o S&P 500, reverteu a alta do Ibovespa e reduziu o movimento de queda do dólar e dos juros futuros ontem, inibindo a melhora dos ativos que tanto sofreram na véspera. A notícia veio após a China dizer que se opõe fortemente à decisão americana de listar algumas empresas de tecnologia do país como alvo de restrições para negócios. Tudo isso ofuscou o efeito do índice de inflação ao produtor mais fraco que o esperado nos EUA e também o discurso de Jerome Powell, presidente do Fed, que disse que o BC americano anunciará em breve novas compras de títulos para evitar repetição de turbulências, mas que isso não deve ser confundido com estímulos em larga escala (QE). Por aqui, a expectativa da confirmação de que um acordo em torno da cessão onerosa poderia ser concluído ontem, destravando a votação da reforma da Previdência em 2º turno no Senado, ajudou os ativos domésticos a não piorarem como os pares externos.

Hoje as bolsas sobem e o dólar tem leve baixa no exterior com a notícia de que a China poderá aceitar um acordo parcial com os EUA mesmo após as medidas de ontem anunciadas pelo governo de Donald Trump. Caso se sustente, o alívio na guerra comercial pode abrir espaço aos ativos brasileiros para reagirem a notícias potencialmente positivas no plano doméstico. No Congresso, a Câmara pode votar ainda hoje um projeto sobre a cessão onerosa, destravando a votação da Previdência, que ocorreria dia 22. Cessão onerosa ainda pode ser aprovada pelo TCU, pavimentando terreno para o maior leilão de uma série de ofertas de petróleo que pode começar já amanhã. Na economia, IPCA que sai nesta manhã pode desacelerar para abaixo de 3% a/a em setembro, corroborando estimativas de que a taxa Selic poderá ser cortada a 4,5% ou menos no fim do ciclo. Crise entre Bolsonaro e PSL segue no radar, mas não deve afetar ativos caso agenda do governo siga intacta.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: A deterioração da percepção de risco sobre as contas públicas ditou o rumo dos mercados locais e os juros futuros dispararam mais de 20 pontos nos trechos intermediário e longo da curva. O pres

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern