Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 09/09/2019

As declarações de Jerome Powell, que mantiveram a mesma linha de seu discurso em Jackson Hole e da última ata do Fed, na sexta feira, deixaram o mercado mais tranquilo na sua precificação de um próximo corte de 0,25 pp na reunião do dia 18 e garantiram a manutenção do bom humor que prevalecia desde o período da manhã. No pano de fundo do alívio global está a indicação de que EUA e China voltarão a negociar em outubro, o que se somou ao payroll mais fraco do que o esperado em termos de criação de vagas, porém acima do previsto em ganho salarial. Em suma, o mercado de trabalho dos EUA não é um problema e o Fed não trabalha com a hipótese de recessão, mas de crescimento moderado contínuo da economia americana, com monitoramento de “riscos significativos”. O dólar caiu ao patamar de R$ 4,06, acompanhando o enfraquecimento global da moeda americana, e fechou a semana com baixa de quase 2%. O Ibovespa cravou a 3ª alta seguida, perto dos 103.000 pontos, e completou a segunda semana seguida de ganhos, com alta semanal de 1,8%. Os juros futuros tiveram pouca alteração, depois de um IPCA em agosto dentro do esperado, o que ratifica as apostas de corte de 0,50 pp na Selic no dia 18, mesma data da decisão do Fed.


No exterior, o S&P 500 subiu pelo 3º dia seguido após comentários de Jerome Powell não alterarem as visões de corte de juros pelo Fed. Mais cedo, as bolsas já reagiam positivamente após relatório de empregos misto não ser suficiente para alterar a direção para a política monetária.


A semana começa indefinida, ainda que positiva, após alívio das sessões anteriores. Exportações chinesas decepcionam, sob efeito da guerra comercial, mas impacto nos ativos é compensado por estímulos do PBOC. Investidor espera BCE esta semana e mantém intacta a expectativa de cortes de juros do Fed. S&P futuro sobe, após alta das bolsas asiáticas. Dólar recua ante maioria dos pares e petróleo se valoriza antes de Opep e após troca de ministro saudita. No Brasil, agenda traz Focus e IPC-S, em meio a expectativas reiteradas de corte de 0,50 pp da Selic. Governo publica edital da cessão onerosa de petróleo e Guedes busca animar mercado com fast track para vender todas as estatais ao mesmo tempo em que sinaliza medidas para produzir choque de emprego. Alcolumbre tenta acordo para votar Previdência na quarta e Bolsonaro tem quadro estável após cirurgia.


Bom dia e boa semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: A fala de Bruno Serra vista como dovish (flexível) pelo mercado derrubou os juros futuros e ajudou a reduzir a precificação de alta da Selic para as próximas reuniões. O diretor de Política Mon

Sexta: Jerome Powell deu alívio aos mercados ao final de uma semana marcada por forte volatilidade. O presidente do Fed afastou um aperto de juros mais agressivo nas próximas reuniões, apesar de númer

Ontem: A volatilidade dominou a sessão desta quinta-feira. O dólar chega ao final da tarde com leves oscilações enquanto o índice da moeda no exterior subiu com a busca por ativos seguros. Os juros fu