Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 09/06/2020

Ontem: O dólar caiu abaixo de R$ 4,83 e o Ibovespa subiu 3,2%, na sétima alta consecutiva e maior sequência de ganhos desde fevereiro de 2018, em meio ao otimismo global com a retomada de economias e visão de que o pior da pandemia ficou para trás. Nos EUA, o S&P 500 apagou as perdas deste ano e o Indice Dólar estendeu queda pelo oitavo dia, na mais longa sucessão de baixas desde 2011. Juros futuros, no entanto, encerraram sessão regular em alta nos vértices curtos e intermediários. Perspectivas de melhora da atividade e falas recentes de autoridades do BC, reiterando termos do último comunicado e da ata do Copom, levaram mercado a limitar exageros de perspectivas de cortes de juros. LÁ FORA, o S&P 500 apagou as perdas deste ano e o Nasdaq bateu nível recorde, com a expectativa positiva sobre a retomada das economias pós-pandemia. A cidade de Nova York começará a ser reaberta após seu primeiro dia sem mortes por vírus desde março; Holanda e a Bélgica planejam abrir bares e restaurantes.


Hoje: O mercado global faz pausa no rali de ativos de risco enquanto avalia a relação entre o ritmo de alta e a velocidade da reabertura da economia global. Índice dólar tem 1ª alta em nove sessões e peso mexicano cai mais de 1,5%, enquanto bolsas recuam. Agenda externa é fraca na véspera da decisão do Fomc e clima negativo aparentemente reflete uma correção dos ganhos recentes, sem estar relacionado a um fato novo. No Brasil, rumo pode seguir exterior enquanto julgamento de ações contra chapa de Bolsonaro no TSE está na pauta. Disparada de 3,2% da bolsa ontem, véspera do julgamento, mostrou que mercado não temia um revés. Da mesma forma, investidor relevou as críticas às mudanças nos dados da Covid-19. Hoje, jornais destacam ordem de Moraes, do STF, para Ministério da Saúde retomar divulgação de números acumulados. Na véspera do IPCA, IGP-M deve ter forte aceleração e IPC-Fipe supera estimativas, enquanto Tesouro oferta NTN-B. Noticiário corporativo traz reabertura de shoppings da Aliansce Sonae e BR Malls.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo