Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 08/07/2019

O payroll acima do esperado nos EUA na sexta feira, levou o dólar e os rendimentos das treasuries à alta, reduzindo apostas de corte mais agressivo de juros pelo Fed. O dado teve efeito nos ativos domésticos, com moeda americana interrompendo dois dias de queda (R$ 3,82), que refletiam as expectativas, confirmadas na quinta feira, de aprovação da reforma da Previdência pela Comissão Especial. A bolsa renovou novamente a máxima histórica (+0,44% aos 104.089 pontos), após cair mais cedo com a baixa do minério, ajuste e dado de emprego nos EUA. O Ibovespa completou a sexta alta semanal em sete semanas. Juros futuros longos mostraram algum avanço igualmente motivado pelo exterior, embora com volumes baixos, enquanto taxas curtas seguiram em queda, com investidores apostando que a reforma possa ser aprovada pelo plenário da Câmara antes do recesso parlamentar e possibilite ao BC cortar a Selic no final deste mês.


No exterior, as bolsas americanas caem, yields das treasuries e Índice Dólar subiram e o ouro cedeu depois que dados do payroll mostraram sinais de força do mercado de trabalho americano, aliviando pressão sobre o Fed para cortar juros neste mês, deixando espaço para uma pequena redução, se a autoridade monetária quiser. O último relatório de trabalho mostrou sinais de que a economia continua no caminho certo, contrariando alguns dados recentes que mostraram fraqueza no setor de manufaturas. Vagas criadas nos EUA totalizam 224.000 em junho, ante estimativa mediana de 160.000. O ganho médio salarial por hora subiu 0,2%, ante estimativa de alta de 0,3% no comparativo mensal.


A semana começa com cautela no exterior, enquanto a lira e bolsa turcas concentram as atenções com tombo após presidente Erdogan demitir o presidente do banco central, em mais um golpe para a credibilidade da autoridade monetária. Previdência tem andamento, com sessão extraordinária deliberativa hoje na Câmara, segundo agenda do presidente da casa, Rodrigo Maia. No sábado, Maia manteve a intenção de começar a votação a partir de terça-feira. Ministério da Economia pode lançar pacote aprovação da reforma, diz o Valor. Presidente do BC, Campos Neto diz que não há relação mecânica entre reformas e juros, segundo entrevista ao Estado. Sessão comprimida entre fim de semana e feriado em SP pode ter liquidez fraca.




Posts recentes

Ver tudo

Ontem: A fala de Bruno Serra vista como dovish (flexível) pelo mercado derrubou os juros futuros e ajudou a reduzir a precificação de alta da Selic para as próximas reuniões. O diretor de Política Mon

Sexta: Jerome Powell deu alívio aos mercados ao final de uma semana marcada por forte volatilidade. O presidente do Fed afastou um aperto de juros mais agressivo nas próximas reuniões, apesar de númer

Ontem: A volatilidade dominou a sessão desta quinta-feira. O dólar chega ao final da tarde com leves oscilações enquanto o índice da moeda no exterior subiu com a busca por ativos seguros. Os juros fu