Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 07/12/2018

Depois de forte estresse pela manhã, os ativos domésticos tiveram uma recuperação parcial das perdas no final do pregão de ontem, também refletindo uma melhora relativa no exterior. O Ibovespa, que chegou a cair mais de 2%, reduziu a baixa e encerrou o dia com queda de 0,42% (88.663 pontos), enquanto o dólar, que chegou a superar os R$ 3,94, suavizou a alta para o nível dos R$ 3,88. Os juros futuros longos fecharam em queda modesta. O grande causador de todo esse stress continua sendo o exterior, apesar de por aqui o mercado ainda estar preocupado com o desenrolar das conversas sobre a reforma da Previdência.

Lá fora, algumas moedas emergentes e do G10 se recuperaram e o S&P 500, que chegou a cair quase 3%, encerrou o dia em queda de 1,30%. No pano de fundo da forte volatilidade registrada ontem está a desconfiança em torno de um acordo EUA/China, especialmente depois da prisão da diretora financeira da Huawei no Canadá e os receios de que os cortes da produção de petróleo não sejam fortes o bastante para reduzir o excesso de oferta da commodity, cujos preços caíram pelo segundo dia seguido. Além disso, o presidente do Fed de Dallas, Robert Kaplan disse ontem que vai pedir paciência em 2019, muito por conta da desaceleração do crescimento e da inflação moderada nos EUA.

A sexta começa mista no mercado, com S&P futuro e yields das treasuries em baixa, na contramão da alta das bolsas europeias e metais. O dólar oscila contra pares e o petróleo segue volátil. Às 11:30 sai o payroll, junto com outros dados de peso nos EUA, e uma leitura moderada poderia corroborar a ideia de pausa do Fed, aliviando o final de uma semana tensa com as relações EUA-China. Estimativa mediana, porém, aponta número forte, perto de 200.000 postos de trabalho. No Brasil, saem IPCA e IGP-DI, com estimativa de deflação.




Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre