Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 07/04/2022

Ontem: Dólar estendeu o avanço e chegou a superar R$ 4,72 após a ata do Fomc sinalizar a disposição dos dirigentes do Fed em acelerar o ritmo de aperto monetário nos próximos encontros se necessário. Documento também indicou redução mensal de até US$ 95 bilhões do balanço da instituição. O comportamento dos ativos seguiu de perto o índice da moeda americana e o rendimento dos Treasuries. Curva dos EUA precifica 86% de chance de um aumento de 0.5pp em maio. Juros futuros também mantiveram a alta, de olho ainda na inflação local após IGP-DI salgado. Já o Ibovespa caiu pelo terceiro dia, em linha com as perdas das bolsas em NY diante do temor de recessão. Petrobras fechou perto da estabilidade, mesmo com forte baixa do petróleo, após a liberação de reservas pela AIE. Bento Albuquerque descartou adiamento de assembleia que definirá o comando da estatal.


Hoje: O mercado ganha sinais de alívio em algumas frentes nesta quinta-feira. No exterior, os rendimentos dos Treasuries fazem pausa na alta e as bolsas tentam se sustentar após dois dias de queda das ações em Nova York diante do endurecimento do discurso do Fed. Petróleo segue abaixo de US$ 100 em NY e o minério de ferro cai com surto de pandemia na China. Falas de dirigentes do Fed, ata do BCE e dado de seguro-desemprego nos EUA ainda podem gerar volatilidade. No Brasil, o governo finalmente caminha para encerrar incerteza sobre o comando da Petrobras ao indicar José Mauro Ferreira Coelho como CEO e Marcio Weber como chairman da estatal. Outro alento vem da bandeira verde a partir do dia 16, que pode reduzir em 20% conta de luz. Juros futuros devem reagir a fala de Campos Neto e Tesouro. TCU promove audiência sobre Eletrobras.


Bom dia

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo