Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 07/02/2022

Sexta: A força do mercado de trabalho nos EUA, mostrada pela criação de vagas acima do esperado em janeiro, mesmo com aumento de casos de Covid-19, fez o rendimento dos Treasuries 10 anos subir para 1,92% e alimentou apostas de aperto monetário maior pelo Fed. Isso puxou as taxas de juros futuros por aqui e levou o dólar à segunda alta seguida, ainda que na semana a moeda tenha mostrado uma queda em torno de 1%. O payroll também pesou no Ibovespa no começo do dia, mas o índice se recuperou ao longo da sessão, capitaneado por ações ligadas a commodities, como Vale e Petrobras, e bancos. Bolsas de NY tiveram um comportamento instável durante parte dos negócios, mas ganharam impulso à tarde, com Nasdaq em alta de mais 2% refletindo alívio com balanço da Amazon. O Copom dovish seguiu tendo reflexos no mercado local de juros, que reduziu precificações de alta da Selic. E a PEC dos combustíveis continuou no radar dos investidores com expectativa negativa no quadro fiscal.


Hoje: Bolsas e moedas têm desempenho misto no exterior com cautela antes do CPI nos EUA e falas de dirigentes de bancos centrais na semana. Mercado monitora perspectiva de aperto da política monetária após payroll forte e sinalizações de BCs europeus pressionarem yields nas sessões anteriores. Minério de ferro mantém alta e petróleo recua, mas segue acima de US$ 90. Inflação e juros também estão em destaque no Brasil. Pesquisa Focus e IGP-DI, que deve mostrar aceleração mensal, abrem hoje semana que terá ata do Copom, a qual balizará apostas na Selic após comunicado visto como dovish. IPCA, na quarta-feira, também deve afetar os juros por aqui, assim como dados de atividade nos próximos dias. Em Brasília, equipe de Guedes tenta barrar PEC kamikaze.


Bom dia e boa semana

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo