Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 06/05/2020

Ontem: Na véspera da decisão do Copom, cresceram as apostas de que o corte da Selic pode ir além de 0,50 pp, após produção industrial cair mais do que o esperado em abril e deflação em São Paulo reforçar estimativas de queda de preços também no IPCA. Os juros futuros caíram nessa leitura e impulsionaram o dólar, pela percepção ainda maior de baixa atratividade do carry. O dólar foi às máximas à tarde após a divulgação pela CNN da íntegra do depoimento do ex-ministro Sergio Moro, embora tenha devolvido parte do movimento depois. Moro também pesou para a redução dos ganhos na bolsa, além do arrefecimento do bom humor externo. No EXTERIOR, as bolsas americanas subiram com o cenário de reabertura de economias e tratamentos para combater o coronavírus. Porém, o movimento foi contido perto do final do pregão com o aumento das tensões com a China e alertas do Fed sobre a economia. Richard Clarida, do Fed, alertou que a economia precisará de mais apoio do governo; vê recuperação a partir do segundo semestre. Já o presidente Donald Trump continuou a culpar a China pela pandemia, alimentando temores de que a guerra comercial possa ser retomada. Hoje: O mercado espera hoje a decisão do Copom dividido entre projeções de corte de 0,50 pp e 0,75 pp da Selic após dados sugerirem um impacto mais profundo da crise gerada pelo coronavírus do que o estimado. Com a curva precificando ao menos um corte adicional em junho, os juros também reagirão amanhã ao comunicado do 1º Copom após agravamento da pandemia. A A reunião ocorre em meio ao quadro de incerteza política - um dos motivos para a Fitch ter cortado para negativa a perspectiva do país. Em Brasília, a Câmara exemplifica o cenário desafiador ao reduzir as contrapartidas na ajuda aos estados, forçando o projeto a voltar ao Senado. Deputados ainda votam hoje a PEC do orçamento de guerra. Mercado externo tem viés parcialmente positivo, com bolsas e commodities em alta, mas moedas emergentes mantêm baixa. China retorna de feriado e considera não fixar meta de PIB para 2020. Agenda é fraca no Brasil, mas EUA têm ADP a dois dias do payroll. Balanço do Covid-19 volta a mostrar recorde de mortes. Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo