Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 06/04/2021

Ontem: O rali externo desta segunda-feira, que levou as bolsas americanas a novos recordes e o dólar à queda, beneficiou os ativos brasileiros, assim como as moedas emergentes, somando-se a um sentimento mais positivo em torno das negociações para uma solução do impasse do Orçamento por aqui. O Ibovespa fechou em alta de 2%, mais do que recuperando as perdas da quinta-feira, e Vale fechou em nível recorde após plano de recompra. Juros futuros acompanharam o bom humor e encerraram sessão regular em baixa. Ministro Paulo Guedes disse que o desfecho para o imbróglio do Orçamento iria caminhar para o veto parcial, mas ainda deve levar certo tempo, dentro do prazo que vai até dia 22. Ele disse ainda que governo não pode correr o risco de suas contas serem rejeitadas pelo TCU. Nos EUA, o otimismo veio sobretudo dos dados do ISM Serviços, evidenciando que a economia está ganhando impulso e se somando ao bom resultado do payroll na sexta-feira.


Hoje: Mercado global não oferece uma sinalização homogênea nesta manhã. Futuros das ações recuam em NY, enquanto as bolsas europeias voltam do feriado em alta. Otimismo com economia dos EUA é contrabalançado por notícia sobre pedido da China a bancos para reduzirem crédito. Moedas têm desempenho misto, apesar da alta das commodities. Agenda destaca fala de Campos Neto em evento aberto sobre política monetária, leilão de NTN-B, PMI serviços e Fenabrave. Presidente do Senado mostra otimismo com expectativa de 2 mi de vacinados por dia em maio, mas diz que cenário em abril é ruim diante do número de mortes. Na política, XP/Ipespe mostra aumento da desaprovação do presidente e Lula empatado com Bolsonaro para 2022, mas numericamente à frente.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo