Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 06/03/2020

Ontem: Os mercados viveram outro dia de caos e aversão a risco nesta quinta-feira e nem três leilões de swap cambial do BC, no total de US$ 3 bi, foram capazes de acalmar os ânimos no câmbio. O dólar chegou a R$ 4,67 na máxima e apenas cedia ao patamar de R$ 4,62 ao final da tarde, mantendo uma alta em torno de 1%. Analistas e participantes do mercado discutiam se o BC poderia agir de forma mais agressiva ou não, enquanto os juros futuros disparam, ainda que a última sinalização da autoridade monetária tenha sido de corte da Selic e o cenário com o coronavírus seja considerado deflacionário. Ibovespa chegou a desabar mais de 6%, enquanto S&P 500 caía em torno de 4%, diante de notícias que mostram que o coronavírus continua a se espalhar pelo mundo, minando o sentimento positivo que se seguiu ao corte de juros pelo Fed na terça-feira. NO EXTERIOR, as bolsas americanas tiveram forte queda em meio ao temor diante da propagação do coronavírus, com novos casos registrados nos EUA e depois que a Califórnia declarou estado de emergência. O número de pessoas infectadas em NY dobrou para 22. Reino Unido e Suíça registraram as primeiras mortes causadas pela doença. O petróleo caiu abaixo de US$ 46 o barril.


Hoje: O BC oferta 40.000 swaps nesta sexta-feira, o dobro do volume anunciado para a abertura de quinta-feira. Enquanto o mercado discutia se BC deveria intervir com mais força, ministro Guedes deu nova declaração polêmica ao afirmar que, se ele próprio fizer muita besteira, dólar pode ir a R$ 5. Real é enfraquecido por expectativa de corte da Selic, que pode levar juro real a perto de zero. Nesta manhã, pressão ainda pode crescer com nova onda de tensão com o coronavírus, que derruba os yields das treasuries, bolsas e commodities no exterior. Casos já se aproximam de 100.000 globalmente, com infecções aumentando nos EUA e Brasil. Agenda destaca payroll nos EUA e balanços no Brasil. Bolsonaro pode encontrar Trump no sábado, dizem fontes, enquanto ruídos políticos persistem em Brasília mesmo após acordo do orçamento.


Bom dia e bom final de semana a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Ontem: O Banco Central reforçou mensagem da ata do Copom de que busca a convergência da inflação para ao “redor da meta” em 2023, com a Selic mais alta por período mais longo. Segundo o presidente Rob

Ontem: Dólar se firma em alta no fim da tarde e encerra o dia perto dos R$ 5,20, pressionado pelos ruídos fiscais com as propostas do governo para aliviar os preços dos combustíveis e o cenário extern

Ontem: Ata do Copom com tom mais duro que o esperado abriu espaço para aperto para além de agosto e fortaleceu o real ao favorecer o carry. Exterior positivo também contribuiu para a moeda ficar entre