Buscar
  • Pedro Hernandez

Morning Call - 04/12/2019

Ao contrário da reação clássica, os contratos de juros futuros fecharam em queda ontem, mesmo após os dados do PIB do 3º trimestre ter vindo acima do esperado. A leitura é que a retomada da economia acontece em base mais sólida, puxada pelo consumo privado e os investimentos, ao invés dos gastos do governo. A aposta de corte da Selic em 0,5 pp na próxima semana, bem sinalizada pelo BC, está mantida. Bancos como o Goldman Sachs, Bradesco, Barclays e JP Morgan elevaram a projeção para o crescimento deste ano. O dólar também operou em queda praticamente durante o dia todo, embora tenha reduzido o movimento à tarde, na esteira do ambiente mais avesso ao risco no exterior - onde persistem receios com a guerra comercial. Ibovespa não conseguiu reagir positivamente ao PIB diante de chances cada vez mais remotas de um acordo entre americanos e chineses. NO EXTERIOR, as bolsas americanas caíram depois que o presidente Donald Trump ameaçou com tarifas as economias da China, França, Brasil e Argentina.


Hoje, as bolsas e as commodities sobem no exterior após a notícias, durante a noite, de que um acordo comercial está próximo e pode sair ainda nesta quinzena. Avanço nas negociações pode levar ativos de risco a recuperar perdas da véspera com a retórica inflamada entre EUA e China. Aqui dentro, o ânimo dos investidores será testado logo na abertura pela produção industrial de outubro, que começa a desenhar o desempenho da economia no 4º trimestre, com expectativa de aceleração. Contraponto é IPC-Fipe, que supera todas as estimativas e atinge maior nível em 17 meses com pressão de alimentos. Dado não deve comprometer otimismo com a economia caso os dados de atividade, que ainda incluem o PMI serviços nesta quarta, sigam em recuperação. Possibilidade de reabilitação da reforma administrativa e votação do marco do saneamento também favorecem viés positivo. Nos EUA, pesquisa ADP pode mover ativos a dois dias do payroll, após PMI Caixin (índice de serviços chinês) superar as previsões.


Bom dia a todos.

Posts recentes

Ver tudo

Sexta: Apetite ao risco no exterior, enquanto operadores ponderaram chance de Fed desacelerar ritmo do aperto em setembro, e relatos de fluxo doméstico sustentaram a dinâmica positiva dos ativos locai

Ontem: Avanço dos yields e realização de lucros pressionam dólar, que fechou em alta superior a 1%. Moeda renovou a máxima perto de R$ 5,17 e real anotou o pior desempenho entre emergentes. Rendimento

Ontem: Reversão da queda dos yields americanos freou o ímpeto de queda do DI, que chegou a mergulhar pela manhã com o CPI abaixo do esperado nos EUA. Inflação americana aumentou chance de 0,50pp pelo